Lufthansa anuncia compra de parte da Air Berlin por ? 1,5 bilhão

Publicado em 12/10/2017 por O Globo

Avião da Lufthansa está estacionado próximo a uma das aeronaves da Air Berlin, no aeroporto de Tegel - HANNIBAL HANSCHKE / REUTERS

BERLIM - A empresa aérea alemã Lufthansa anunciou, nesta quinta-feira, que vai adquirir a maior parte da Air Berlin com a aquisição de 81 aviões e três mil empregados por ? 1,5 bilhão, consolidando sua posição dominante no segmento. A Air Berlim, após três semanas de negociações e de rejeitar uma longa lista de pretendentes, fixou esta quinta-feira como data limite para compartilhar suas atividades entre os dois eleitos: a Lufthansa e a britânica Easyjet, que não revelou suas intenções. No entanto, a Air Berlin assegura que continua negociando com a companhia britânica, interessada, segundo a imprensa, na compra de cerca de 30 aviões.

O diretor-geral da Lufthansa, Carsten Spohr, se referiu a um grande dia ao anunciar a compra de 81 dos 144 aviões da frota da Air Berlin e a contratação de três mil dos 8.500 funcionários da empresa berlinense.

LEIA TAMBÉM: Crise com cancelamentos de voos causa a primeira baixa na Ryanair

E MAIS: Boeing aposta em pilotos-robôs e táxis que voam sozinhos

Ainda não é conhecida oficialmente a quantia oferecida pela Lufthansa, mas a imprensa alemã menciona um plano de investimentos total de ? 1,5 bilhao para a operação, muito criticada fora da Alemanha.

A Lufthansa é a gigante do setor aéreo alemão com uma fatia de 34% do mercado, enquanto que a Air Berlin ocupava a segunda posição, situação que a irlandesa Ryanair criticou no começo de setembro, quando se retirou da corrida ao denunciar um golpe orquestrado para privilegiar a Lufthansa.

Posição de força

"Nunca negamos que tivemos um ano para nos preparar diante de uma eventual saída da Air Berlin do mercado, como todos os nossos competidores, que tinha, acesso livre ao balanço financeiro (da Air Berlin)", afirmo o diretor da Lufthansa em entrevista ao jornal econômico Handelsblatt.

Em termos de aviões e horários de decolagens e aterrissagens nos aeroportos alemães, Spohr admitiu que se encontrava no limite "do que as autoridades da concorrência podem aceitar". Mas seu grupo já conseguiu uma forte influência sobre os preços dos bilhetes de avião alemães, já que a maioria dos comparadores de preços irá propor aos clientes, para vôos locais, escolher entre a Lufthansa e sua subsidiária de baixo custo, a Eurowings.

"Em nossa indústria, os preços têm diminuído constantemente há anos e são tão baixos que as companhias aéreas têm dificuldade de sobreviver", disse Carsten Spohr, da Handelsblatt.

Na semana passada, a Lufthansa anunciou que aumentará ou reforçará suas rotas de longa distância, um setor até hoje ocupado principalmente pela Air Berlin para vôos para a América do Norte e, especialmente, para a América Central.

Os últimos voos da Air Berlin, já muito reduzidos, serão definitivamente interrompidos em 28 de outubro, alertou a empresa. As subsidiárias austríacas da Air Berlin, a Niki e a LGW, não afetadas pelo processo de insolvência, podem continuar operando.

Futuro dos empregados

O período de transição e reorganização para os vôos codificados "AB" e para os codificados como "LH" deve demorar entre seis e nove meses, segundo a Lufthansa, e alguns distúrbios podem ser esperados, principalmente para passageiros com passagens da Air Berlin para os próximos meses. As reservas efetuadas depois de 15 de agosto podem ser reembolsadas, mas cerca de 100 mil clientes que compraram ingressos para vôos de longa distância não serão reembolsados ou serão muito poucos, alertou a Air Berlin.

Após dois meses de espera, o destino dos 8.500 funcionários da Air Berlin permanece incerto. Em 25 de setembro, o diretor da companhia aérea, Thomas Winkelmann, disse que estava lutando para "oferecer boas perspectivas para 80%" da força de trabalho". Os pilotos da Air Berlin, que manifestaram sua preocupação em setembro com uma onda coordenada de licença por doença, se beneficiarão de um procedimento de recrutamento na Lufthansa e também podem ser contratados na Ryanair, onde muitos pilotos deixaram seus postos de trabalho recentemente.

Para o restante - pessoal de manutenção, comercial ou comissários de bordo - várias feiras de emprego serão organizadas nas instalações da Air Berlin nesta semana, em colaboração com agências de emprego, autoridades locais e multinacionais alemãs.