Não é fácil amar Hollywood quando ela está tão cheia de perversidade

Publicado em 09/02/2018 por Yahoo Brasil

Antes mesmo de termos contato com o termo "cultura popular", nossas ideias sobre o mundo são moldadas por telas. Vimos E.T. passar voando na frente da Lua com seu novo amigo Elliott, a Bruxa Malvada do Oeste ser derrotada por uma turista de bom coração, um leão de animação cantar sobre seu desejo de governar um reino, um adolescente da zona oeste de Filadélfia se mudar para Bel Air. Essas imagens só podem ser o trabalho de magos altamente talentosos; nós as levamos conosco para nossa adolescência e idade adulta. Em algum momento desse percurso, passamos a entender, até certo ponto, que atores, roteiristas, produtores, cinegrafistas, operadores de sets, operadores de acessórios, maquiadores, cozinheiros e dezenas ou até centenas de assistentes e funcionários corporativos contribuíram para sua criação.

E agora estamos sendo forçados a reconhecer que muitas dessas mãos estavam sujas. Muitas mesmo, infelizmente.

A enxurrada de acusações feitas a agressores sexuais este ano será lembrada como um marco cultural, o momento em que um século de estupros e assédio sexual passaram de ser combustível de fofocas a assunto discutido em âmbito nacional. É possível que ela seja o testamento final de uma tribo de homens que intimidaram subordinados, ameaçaram atrizes novatas que sonhavam em conseguir sua chance de fazer sucesso, e exerceram poder insuperável, ao mesmo tempo em que, em muitos casos, criavam a arte que iria nos entreter e deixar nossa visão de mundo mais leve.

Nenhum de nós que apenas assiste a Hollywood a partir de fora sofreu como sofreram as mulheres e os homens que tiveram sua dignidade manchada por Harvey Weinstein, Kevin Spacey, Louis C.K e muitos outros que há anos são festejados no tapete vermelho, fazem fotos glamurosas para revistas e fecham negócios de milhões de dólares. Na América, entretanto, a cultura popular é mais do que uma simples frivolidade - é um modo de vida. Como fazemos quando o ecossistema...

Continue a ler no Huffpost