Tarifas prejudicam empresas americanas na China

Publicado em 14/09/2018 por Valor Online

Tarifas prejudicam empresas americanas na China

Mais de 60% das empresas americanas que operam na China foram prejudicadas pelas tarifas dos EUA e da China sobre as exportações de ambos os países, de acordo com uma pesquisa realizada pelas câmaras de comércio dos EUA em Pequim e Xangai.

A pesquisa da AmCham China e da AmCham Xangai (câmaras de comércio americanas), com base nas respostas de mais de 430 empresas, mostrou que uma parcela ainda maior espera um impacto negativo de tarifas ainda não impostas. Quase metade das firmas americanas espera um "forte" impacto negativo das tarifas pendentes. A pesquisa foi realizada entre 29 de agosto e 5 de setembro.

"As empresas americanas sofrem por causa das medidas tarifárias da China e, ironicamente, com as tarifas americanas que têm como objetivo prejudicar a economia chinesa", afirmaram os dois grupos em um comunicado. "A AmCham da China e a AmCham de Xangai instam os dois governos a voltar à mesa de negociações."

Os dois países impuseram um ao outro tarifas de 25% sobre importações no valor de US$ 50 bilhões, dentro de sua disputa por causa das queixas dos EUA de que Pequim rouba tecnologia ou pressiona companhias americanas para que lhe transfiram tecnologia.

Pequim já divulgou uma lista adicional de US$ 60 bilhões em produtos americanos que podem ser alvo de retaliação, se o próximo pacote de tarifas do presidente Trump entrar em vigor.

O presidente da Amcham China, William Zarit, advertiu que o governo Trump pode estar subestimando a disposição da China para brigar em vez de ceder. "O governo dos EUA corre o risco de se envolver numa espiral descendente de ataques e contra-ataques que não beneficiarão ninguém."

Na pesquisa, 63,3% das empresas indicaram que seus ganhos e a demanda de seus clientes diminuíram por causa das tarifas americanas sobre importações de produtos chineses, e 62,5% afirmaram o mesmo sobre as tarifas impostas pela China em produtos americanos em retaliação.

Além disso, 74,3% responderam que serão prejudicados se os EUA adotarem sobretaxa à importação de US$ 200 bilhões em produtos chineses. E 67,6% disseram o mesmo sobre os planos da China de retaliar com sobretaxas a US$ 60 bilhões em produtos americanos.

"Esta pesquisa confirma nossas preocupações: as tarifas já estão impactando negativamente as empresas americanas e a imposição de uma parcela proposta de US$ 200 bilhões trará muito mais danos", disse Eric Zheng, presidente da AmCham Shanghai.

Uma pesquisa separada também divulgada ontem pela Câmara de Comércio da União Europeia (UE) mostrou que 54% das empresas do bloco viam as tarifas dos EUA de forma negativa, enquanto 43% viam as tarifas chinesas negativamente. Entre os 193 entrevistados, 17% disseram que estavam adiando novos investimentos na China. "Os efeitos da guerra comercial EUA-China sobre as empresas europeias na China são significativos e esmagadoramente negativos", disse Mats Harborn, presidente da Câmara da UE.