Tensão comercial no mundo afeta Ibovespa e bolsas internacionais

Publicado em 11/07/2018 por Valor Online

SÃO PAULO  -  O Ibovespa opera em leve queda no fim da manhã desta quarta-feira, diante de um cenário externo mais adverso, influenciado pela cautela dos investidores globais em meio às tensões comerciais entre Estados Unidos e China. 

Às 11h43, o Ibovespa cedia 0,05%, aos 74.822 pontos. O giro financeiro do índice somava R$ 1,8 bilhão.

Em Nova York, o Dow Jones recuava 0,52%, o S&P 500 declinava 0,41% e o Nasdaq tinha baixa de 0,25%. Na Europa, o FTSE 100, de Londres, o DAX, de Frankfurt, e o CAC 40, de Paris, tinham desvalorização acima de 1%.

Na terça-feira, os EUA divulgaram uma lista de US$ 200 bilhões em produtos chineses sujeitos a tarifas adicionais de 10%. Pequim reagiu com indignação aos novos planos do governo Trump, afirmando que a iniciativa é “totalmente inaceitável” e prometendo lançar contramedidas.

“As notícias do Trump geraram um estresse generalizado no câmbio e nas bolsas”, diz Ari Santos, gerente da mesa de operações da H. Commcor. Ele ressalta, contudo, que a falta de detalhes quanto ao prazo e o modo de implantação das medidas protecionistas podem fazer com que a percepção de risco melhore gradativamente ao longo do dia.

Vale ON recuava 1,45% — a mineradora possui maior exposição à economia chinesa, e as notícias de guerra comercial costumam ter impacto nas ações da companhia. As siderúrgicas caem em linha: CSN ON perdia 2,26%, Gerdau PN (-2,10%) e Usiminas PNA (-2,54%).

Por outro lado, Petrobras PN (+0,85%) e Petrobras ON (+1,58%) avançavam e neutralizavam parcialmente o desempenho da Vale.