Venezuela vive pior recessão de sua história

Publicado em 14/11/2017 por O Globo

Venezuelanos fazem em frente a supermercados para comprar produtos básicos, em Caracas. - Federico Parra / AFP

RIO - Sob o regime de Nicolás Maduro, a Venezuela vive uma das piores crises mundiais e, desde 2014, vê sua economia encolher. O país, que já havia registrado uma retração de 6,2% em 2015, acentuou ainda mais esse movimento no ano passado, quando caiu 16,4%, segundo dados do Fundo Monetário Internacional (FMI). Para este ano, a estimativa do Fundo é que a economia do país encolha 12%.

Com a falta de transparência nos dados públicos, economistas não possuem um consenso sobre a variação das principais taxas do país. Para a inflação, as estimativas variam entre 650% e 720% em 2017.

Em comunicado, o diretor da consultoria Econométrica, Francisco Ibarra, estima que a economia do país tenha encolhido 8,2% no primeiro trimestre do ano, e 10,6% no segundo, o que totalizaria dez trimestres consecutivos de recessão.

"Ao final deste ano, a Venezuela terá perdido não somente um ano, mas terá vivido a pior recessão de sua história, excluindo momentos de guerra", resume Ibarra.

A crise da Venezuela em números
Produção de petróleo
(Em milhões de barris por ano)
N
Caracas
139.3
138.5
137.8
135.9
VENEZUELA
GUIANA
124.1
COLÔMBIA
BRASIL
Variação do PIB ano a ano
5,6%
1,3%
2014
2015
2016
2017
2012
2013
3,9%
6,2%
12%
16,4%
31,431
População
milhões de habitantes
Taxa de desemprego estimada
37,8%
36,2%
34,5%
32,8%
29,7%
26,3%
20,6%
7,4%
Variação percentual da inflação
652,670%
*Estimativas variam entre 652% e 720%
254,391%
111,798%
57,311%
43,534%
21,069%
Fonte: BP e FMI
A crise da Venezuela
em números
N
Caracas
VENEZUELA
GUIANA
COLÔMBIA
BRASIL
Produção de petróleo
139.3
138.5
137.8
135.9
124.1
Variação do PIB ano a ano
5,6%
2012
1,3%
2013
3,9%
2014
6,2%
2015
16,4%
2016
12%
2017
População
31,431
milhões de habitantes
Taxa de desemprego estimada
(Porcentagem da população total)
7,4%
2015
20,6%
2016
26,3%
2017
29,7%
2018
32,8%
2019
34,5%
2020
36,2%
2021
37,8%
2022
Variação percentual da inflação
*Estimativas variam entre 650% e 720%
21,069%
2012
43,534%
2013
57,311%
2014
111,798%
2015
254,391%
2016
652,670%
2017
Fonte: BP e FMI

A dívida do país, junto da quantia devida pela petroleira PDVSA, totaliza cerca de US$ 150 bilhões. Após uma reunião crucial da Venezuela com os credores em Caracas nesta segunda-feira, para discutir o plano de renegociação da dívida externa, a Associação Internacional de Swaps e Derivativos (ISDA) decidiu convocar um novo encontro para terça-feira. O objetivo é avaliar as consequências do atraso no pagamento de títulos da petroleira, entre fortes temores de um default.

Um dos principais fatores que contribuíram para a derrocada do país foi a queda de preço do barril de petróleo desde 2014, já que o setor responde quase pela totalidade da exportação do país, e por cerca de metade da receita do governo. O acesso insuficiente a dólares, o controle de preços e a rígida regulamentação trabalhista levaram algumas empresas dos EUA e multinacionais a reduzir ou encerrar suas operações venezuelanas.

Além disso, a incerteza do mercado e a poluição do fluxo de caixa da petrolífera estatal PDVSA ajudaram a diminuir o investimento no setor de petróleo.

Desde que a crise foi deflagradam a população enfrenta uma grande escassez de bens de consumo e alimentares. Com isso, o governo governo venezuelano depende de importações para atender às essas necessidades básicas.