ANÁLISE: O que significa para a Espanha a entrada da extrema direita no Parlamento da Andaluzia?

Publicado em 03/12/2018 por Bom dia Brasil

A extrema direita fincou o pé pela primeira vez num Parlamento da Espanha -- o da Andaluzia, onde deve compor com partidos de direita para pôr fim a 36 anos de governos socialistas na comunidade autônoma mais populosa da Espanha. Criado há apenas cinco anos, o partido Vox cativou 11% do eleitorado andaluz com os mesmos termos de uma mensagem populista e radical já conhecida nos EUA de Trump, na França de Marine Le Pen ou na Itália de Matteo Salvini.

O Vox defende essencialmente o Estado único, com um só governo e um só Parlamento para toda a Espanha. Sob o argumento de reduzir os gastos públicos, prega a extinção do Senado e o fim das 17 comunidades autônomas estabelecidas pela Constituição de 1978 e que compõem a nação espanhola. Elege como inimigos os movimentos independentistas do país, entre eles o da Catalunha.

Imigrantes ilegais também são importantes alvos do partido, que terá 12 deputados na Câmara da Andaluzia: em sua plataforma, refugiados estão sempre associados à delinquência e ao aumento da criminalidade.

Para barrá-los, a legenda comandada por Santiago Abascal se inspira em Trump, defendendo a construção de um muro em Ceuta e Melilla, dois enclaves espanhóis no Marrocos por onde entram os refugiados do Norte da África. E promete punir empresas ou ONGs que incentivarem a imigração ilegal.

O desempenho surpreendente do Vox revoluciona a política andaluza e é um teste para as eleições gerais, previstas para 2020. Consolida o fim do bipartidarismo na Espanha, com as duas principais legendas -- o PSOE e o PP -- enfraquecidas em sua região mais populosa.

Embora em primeiro lugar, com 33 cadeiras, os socialistas não conseguem formar governo na Andaluzia, mesmo que tenham o apoio do Podemos numa chamada coalizão de esquerda. Os dois partidos de direita, o Popular e o Cidadãos, têm juntos 47 cadeiras. Se unirem forças com o Vox, obterão a maioria no Parlamento, com 59 assentos.

O paradoxo é que esta legenda radical surgiu, basicamente, de dissidentes do Partido Popular, que desde o fim do franquismo agregava todo o espectro político da direita espanhola. Sua mensagem xenófoba e nacionalista pode ajudar a fragmentar ainda mais a direita, dividida atualmente entre o Partido Popular e o Cidadãos.

A entrada triunfal da extrema direita num Parlamento regional, pela primeira vez desde a transição democrática do país, há quatro décadas, certamente acende o sinal de alerta em outras províncias.

O vídeo "Andaluzia pela Espanha", que viralizou durante a campanha andaluza, resume bem que o objetivo do partido é expandir seus tentáculos. Numa alusão à reconquista espanhola dos territórios muçulmanos, que terminou em 1492 com a tomada de Granada, Santiago Abascal cavalga, com outros integrantes do Vox, em direção a outras regiões do país. Até o último domingo, o país estava imune às investidas da extrema direita.

Sandra Cohen - Foto: Arte/G1 Sandra Cohen - Foto: Arte/G1

Sandra Cohen - Foto: Arte/G1