Brasil volta a ter um filme de diretora negra depois de 34 anos

Publicado em 09/08/2018 por Folha de S. Paulo Online

São Paulo

Em agosto de 1984, o PMDB confirmava o nome de Tancredo Neves para disputar a Presidência —eram eleições indiretas. Ayrton Senna ainda não tinha sido campeão na F-1. Não existia a internet tal qual a conhecemos.

Naquele agosto, tempo que parece tão longínquo, chegava aos cinemas "Amor Maldito", dirigido por Adélia Sampaio.

O filme estreou sem alarde. Só ganhou alguma notoriedade anos depois, quando foi reconhecido como o primeiro longa de uma cineasta brasileira negra a entrar em cartaz no circuito comercial.

Só agora, passados 34 anos, o país tem um segundo filme na mesma situação. O documentário "O Caso do Homem Errado" estreou em Porto Alegre, cidade natal da diretora Camila de Moraes, 31, e passou em seguida por Salvador, Aracaju e Rio Branco.

Em São Paulo, entrou em cartaz na semana passada e ganha, a partir desta quinta (9), mais uma semana de exibição no Cinesesc. Depois, poderá será visto em capitais como Vitória, Maceió e Belém.

Moraes revive um episódio trágico da capital gaúcha ocorrido em 1987, justamente o ano em que ela nasceu.

O operário negro Júlio César de Melo Pinto foi confundido com ladrões pela polícia. Quando levado à viatura, tinha só um ferimento na boca. Minutos depois, chegando ao hospital, estava morto. Levou dois tiros no trajeto.

Em 76 minutos, familiares, advogados e ativistas dos direitos humanos comentam o crime. Moraes tentou ouvir a polícia, mas eles não quiseram participar do filme.

Embora já tenha visto o filme dezenas de vezes, a diretora conta que ainda se emociona nas sessões. Os debates com a plateia são frequentes quando ela está presente. "No público, há sempre um negro que conta ter tido um irmão ou primo assassinados."

Moraes e a produtora Mariani Ferreira fizeram "O Caso do Homem Errado" com R$ 100 mil, valor modesto para um longa, mesmo documentário, em geral de custo mais baixo que as obras de ficção.

O projeto não entrou em editais. Só se tornou viável graças às doações de representantes do movimento negro —20 pessoas participaram da equipe, todos voluntários.

Concluído o filme, Moraes e Ferreira entraram em contato com distribuidoras, mas nenhuma se interessou. Elas, então, assumiram a tarefa.

Além das sessões no circuito, "O Caso do Homem Errado" foi apresentado em mostras como Gramado, em 2017, e o Festival de Cine Político, em Buenos Aires, neste ano.

"Eu era sempre a única pessoa negra nos festivais. Precisamos ocupar esses espaços", diz Moraes. Segundo ela, há cada vez mais espectadores dispostos a refletir sobre as questões raciais. Se existe maior interesse do público, onde estão os filmes?

Ainda que lentamente, o cenário tem mudado. É improvável que o país espere mais 34 anos por um filme assim.

Pelo menos cinco longas de cineastas negras estão em produção no país. Um deles é "Um Dia de Jerusa", ficção da baiana Viviane Ferreira, com lançamento previsto para 2019.

O filme foi contemplado por um edital do Ministério da Cultura para longas de ficção voltados às ações afirmativas. A diretora, aliás, critica o fim do programa de apoio.

A paulista Juliana Vicente prepara documentário sobre Ruth de Souza, atriz com mais de sete décadas de carreira —o filme também deve estrear no ano que vem.

"Já participamos de festivais internacionais, temos prêmios em Cannes. Mas continuamos vistas como iniciantes porque o mecanismo está armado para não reconhecer mulheres negras", diz a diretora. "Estamos vulneráveis demais às flutuações políticas e às tendências de mercado."