Cinco lugares que parecem a Europa mas ficam no Brasil

Publicado em 09/08/2018 por Folha de S. Paulo Online

São Paulo

Conheça cinco lugares no Brasil que receberam levas de imigrantes europeus e conservam traços da cultura desses povos na arquitetura, na culinária e em festas.

 

Pomerode (Santa Catarina)

A influência dos imigrantes alemães, que se instalaram na região em 1863, é visível nas casas construídas com a técnica enxaimel, caracterizada pelo entrelaçamento de tábuas de madeira. Há um circuito de 16 quilômetros que passa por cerca de 50 casas no estilo

Bento Gonçalves (Rio Grande do Sul)

Região de vinícolas tem casas de pedra, erguidas por imigrantes italianos, reunidas no circuito Caminhos de Pedra. Há restaurantes, fazendas e pousadas pela rota, além de residências que fazem parte do patrimônio arquitetônico e histórico da cidade

Domingos Martins (Espírito Santo)

A arquitetura da cidade, na serra do Castelo, é marcada pelos alemães, seus fundadores, que chegaram lá em 1893 e cuja história é exposta em um museu. Duas festas comemoram a imigração na cidade: a Sommerfest, em janeiro, e a Pommerfest, em setembro

Witmarsum (Paraná)

A colônia de 1.500 moradores integra a cidade de Palmeira (a 60 km de Curitiba). Foi fundada por menonitas que antes viviam na cidade homônima em Santa Catarina, e migraram para a fazenda paranaense na década de 1950. Seus cafés e restaurantes servem pratos típicos da Alemanha

Penedo (Rio de Janeiro)

O bairro da cidade de Itatiaia, conhecido como Finlândia brasileira, tem vila comercial com casas coloridas, uma delas com o tema do Papai Noel. Os primeiros moradores da região, imigrantes da Finlândia, se instalaram lá no final da década de 1920