Conversa com Deus e nova tatuagem: a lição de Onyx Lorenzoni após o caixa 2

Publicado em 03/12/2018 por Zero Hora

Arquivo pessoal / Arquivo pessoal

Arquivo pessoal / Arquivo pessoal

Homem forte do futuro governo de Jair Bolsonaro, o gaúcho Onyx Lorenzoni (DEM-RS), atual ministro extraordinário, dividiu com a coluna o aprendizado que experimentou após o episódio do caixa 2 envolvendo sua campanha a deputado federal, em 2014. A confissão ocorreu em 2017.

Na ocasião, Onyx admitiu que havia cometido um "erro" ao receber R$ 100 mil da JBS sem registrar a quantia na prestação de contas da Justiça Eleitoral. O ministro afirmou que aceitou o dinheiro para fechar suas contas sem dívidas.  

Na época, o então deputado federal afirmou que procuraria o Ministério Público Federal e o Judiciário para regularizar sua situação. Em entrevista recente, após aceitar o convite de Bolsonaro para ser ministro da Justiça, o juiz federal Sergio Moro, falou sobre o episódio e disse que o futuro colega "admitiu seus erros" e pediu desculpas.

- Quanto a esse episódio no passado, ele mesmo admitiu os seus erros e pediu desculpas. E tomou as providências para reparar - afirmou o juiz. 

À coluna, Onyx contou que é evangélico, muito religioso, e conversou com Deus, em orações, sobre o ocorrido.  

- Primeiro, resolvi o problema com Deus. E aí, sempre nas minhas orações, me vinha aquilo em mente, e eu percebi que precisava de um gesto. Algo que simbolizasse que eu nunca mais cometeria aquele erro - contou.

Onyx, então, decidiu tatuar uma passagem bíblica no braço direito, ao lado de outras duas tatuagens (uma que traz a bandeira do Rio Grande do Sul junto à palavra "liberdade" e outra, mais acima, com o símbolo do Internacional, clube do coração). O versículo tatuado está no Evangelho de João, no Novo Testamento:  "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará!" (Jo 8,32). 

- Foi um erro (o caixa 2). E acho que cometer um erro é algo que pode acontecer com qualquer pessoa. Todo mundo erra e acerta. Mas reconheci e tenho como princípio que nunca mais irei cometê-lo - afirmou.