Ex-secretário fecha acordo de delação premiada envolvendo crimes na gestão Silval

Publicado em 08/11/2018 por A Gazeta - MT

Ex-secretário adjunto da Secretaria de Transportes e Pavimentação Urbana de Mato Grosso (Setpu), Valdísio Juliano Viriato, fechou acordo de delação premiada com o Ministério Público Estadual (MPE), fatos relatados na ação penal oriunda da 5ª fase da Operação Sodoma.

 

Leia também - Tribunal de Justiça decide se torna Guilherme Maluf réu

 

A 5ª fase da Sodoma desvendou fraudes em licitação, desvio de dinheiro público e pagamento de propinas, realizados pelos representantes da empresa Marmeleiro Auto Posto LTDA e Saga Comércio Serviço Tecnológico e Informática LTDA, em benefício da organização criminosa comandada pelo ex-governador Silval Barbosa.

 

A revelação sobre nova delação consta no pedidou do próprio MPE, que solicitou ao juiz Jorge Luiz Tadeu Rodrigues ato de anexar aos autos a cópia do Termo de Acordo de Colaboração Premiada, "visto que nos autos consta apenas o anexo relativo aos fatos objeto da Ação Penal", diz trecho do pedido.

Diante da Colaboração, o próprio ex-secretário solicitou que fosse dispensado das audiências com testemunhas, "ressalvando que o acusado comparecerá perante este juízo para ser interrogado no dia designado. Requereu, ainda, a homologação da desistência das testemunhas arroladas na resposta à acusação".

 

Com a dispensa, Valdísio Viriato será interrogado no dia 12 de dezembro.

 

5ª fase Sodoma

 

Conforme o Ministério Público, uma organização criminosa liderada pelo ex-governador Silval Barbosa teria cobrado propina de empresários, entre os anos de 2011 e 2014, para fraudar licitações e manter contratos de fornecimento de combustível, para a frota do governo do estado, e com uma empresa de informática.

 

Ao todo, o grupo teria, segundo o MPE, desviado R$ 8,1 milhões das secretarias de Administração (extinta SAD e atual Secretaria de Gestão) e de Transporte e Pavimentação (extinta Setpu e atual Secretaria de Estado de Infraestrutura).

 

Na ação penal da Sodoma 5, são réus, além de Viriato: o ex-governador Silval Barbosa; os ex-secretários de Estado Francisco Faiad, Cesar Zílio e Pedro Elias; o ex-chefe de gabinete de Silval, Silvio Cesar Corrêa Araújo; o ex-secretário adjunto de Administração, José de Jesus Nunes Cordeiro; os empresários Juliano Cezar Volpato e Edézio Corrêa; e os ex-servidores da Secretaria de Transportes, Alaor Alves Zeferino de Paula e Diego Pereira Marconi.