À revelia do PSB, Lacerda mantém rotina de campanha para governo de Minas

Publicado em 08/08/2018 por Valor Online

À revelia do PSB, Lacerda mantém rotina de campanha para governo de Minas

Mariela Guimaraes/O Tempo/Agência O Globo

Lacerda: candidato conquistou apoio de seis partidos e tem 30% do tempo de TV

Mesmo sem autorização da cúpula de seu partido, o ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda manteve ontem rotina de campanha para o governo de Minas Gerais. Sua equipe trabalhou na preparação do jingle, discutiu planos de marketing e fez contatos com emissoras de TV do interior do Estado. Lacerda é integrante do PSB e está em guerra aberta contra a direção nacional da legenda, que na semana passada determinou que ele desistisse da disputa. A questão está na Justiça e a indefinição deve se arrastar pelos próximos dias.

Ontem, ao Valor, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, afirmou: "Não há hipótese de ele ser candidato a governador pelo PSB nesta eleição. A justiça vai reconhecer que temos razão."

Na semana passada, Siqueira anunciou a decisão de retirar a candidatura de Lacerda e de colocar o PSB na campanha à reeleição do governador Fernando Pimentel (PT). Mas Lacerda se recusou a aceitar a intervenção, realizou uma convenção estadual do partido, na qual teve a apoio da maioria dos delegados partidários, formalizou seu nome como candidato, encaminhou a documentação prévia ao Tribunal Regional Eleitoral e quer formalizar o registro da candidatura antes do prazo final, que é dia 15.

No domingo, a convenção nacional do PSB considerou a convenção estadual nula.

Mesmo contrariando a direção do partido, Lacerda angariou apoio de seis partidos: MDB, PDT, Pros, PV, Podemos e PRB. Isso dá a Lacerda o equivalente a 30% do tempo total disponível da propaganda gratuita no Estado, segundo sua assessoria.

Na aliança, ficou definido que seu candidato a vice é o deputado e presidente da Assembleia Legislativa Adalclever Lopes (MDB). "A questão está judicializada. O Marcio é o candidato. Se porventura acontecer isso [de ele ser impedido], a gente vai fazer uma pesquisa qualitativa para ver qual o melhor perfil para substituir o candidato", disse o deputado federal Saraviva Felipe, presidente da comissão provisória que comanda o MDB em Minas. "Nós não pretendemos fazer isso. Acho que está muito bem encaminhada judicialmente a questão a favor do Marcio."

Para outro parlamentar do MDB mineiro, o deputado federal Fábio Ramalho, a candidatura de Lacerda está fadada a morrer. "Eu continuo apoiando o Pimentel e continuo na tese, depois de ter ouvido advogados, de que o que prevalece é o que o partido determina." Segundo ele, o deputado Leonardo Quintão (MDB-MG) está também com Pimentel.

Ontem, a nova direção do PSB em Minas - empossada depois da intervenção nacional - indicou o nome do ex-embaixador Tilden Santiago para disputar uma vaga ao Senado na chapa de Pimentel.

No TRE, o PT apresentou ata na qual inclui PSB em sua aliança e o PSB - ligado a Lacerda - apresentou outra ata em que aparece encabeçando outra aliança. Qual será de fato válida é uma questão que pode se arrastar para além do dia 15, com a disposição de Lacerda e da cúpula pessebista de seguir com a briga na Justiça.

Lacerda apareceu em terceiro, com 9,7% das intenções de voto, na pesquisa da semana passada da CNT/MDA. O senador Antônio Anastasia (PSDB) lidera com 21,5% das intenções, seguido por Pimentel, 13,3%.