Samu de Porto Alegre renova frota em 100%; Capital conta com 15 ambulâncias

Publicado em 16/04/2018 por Jornal do Comércio - RS

Pioneira no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Porto Alegre recebeu, em fevereiro, um reforço de 11 novas ambulâncias, que, junto às que chegaram no ano passado e às que virão neste mês, vão renovar 100% das unidades em atividade na Capital. Desse total, 12 operam para o atendimento básico (situações de menor complexidade) e três, para o avançado (UTIs móveis, que atendem aos casos mais graves).
A frota totalmente renovada permitirá que a coordenadoria coloque em prática um sistema de revisão programado dos carros, o que não era possível ser feito pela falta de veículos reservas. Diariamente, um alto número de ambulâncias apresenta problemas e precisa de conserto.
De acordo com o coordenador do Samu Porto Alegre, Marcos Mottin, havia ambulâncias com quase dez anos de uso rodando pelas ruas da cidade. "Foi feito um projeto de gestão de frotas, que não existia anteriormente. Todas as ambulâncias vão circular com telemetria, possibilitando monitorar rotação de motor, velocidade, se o giroflex está ligado ou não, aceleração, frenagem brusca, além da manutenção preventiva", enumera.
O número de unidades é compatível com a densidade populacional de Porto Alegre, entretanto, Mottin ressalta que, se o serviço contasse com mais ambulâncias, poderia prestar mais atendimentos. O coordenador explica que o cálculo que o Ministério da Saúde preconiza é de que haja uma unidade básica para cada 100 mil habitantes e uma avançada a cada 500 mil. Além disso, um estudo de densidade e de atendimentos foi realizado para definir os postos de distribuição (ver quadro ao lado).
"O problema enfrentado é a grande população flutuante que vem trabalhar em Porto Alegre. Além disso, existe um número muito alto de pessoas que procuram atendimento aqui. É claro que seria melhor ter mais equipes para um atendimento com mais folga, mas com as atuais se trabalha bem", conta.
Para facilitar e agilizar a solicitação do Samu, a coordenadoria local desenvolveu, através dos projetos Samuzinho e Samu Cidadão, que são interfaces do núcleo de educação permanente, um serviço educativo com o intuito de ensinar a população a solicitar o socorro e explicar aos médicos, na fase de regulação, as características do paciente. "No ano passado, nossa equipe educacional treinou quase 400 pessoas, incluindo serviços de primeiros socorros e ressuscitação cardiopulmonar. Além disso, temos o Samuzinho, que vai até as escolas e trabalha junto às comunidades", exemplifica.
Um problema que ainda é enfrentado diariamente por atendentes do Samu são os trotes. Mesmo com o projeto de educação continuada, os números são expressivos. Mensalmente, são cerca de 30 mil ligações. Desse total, 12% são trotes - ou seja, mais de 3 mil ligações. Das chamadas para o serviço, 24% vão para regulação médica; 20% são apenas para solicitar informação; e 25%, engano (procurando outros serviços).
Ainda neste ano, a coordenadoria do Samu aguarda a publicação de um edital para um novo concurso. Hoje, a unidade de Porto Alegre conta com 284 funcionários, desde concursados até terceirizados (atendentes, serviços gerais e tecnologia da informação).