A vida de um presidenciável controverso

Publicado em 14/09/2018 por Valor Online

A vida de um presidenciável controverso

Givaldo Barbosa/O Globo

Livro de Clóvis Saint-Clair é perfil extenso de Bolsonaro com base em pesquisas em arquivos de imprensa e órgãos do governo

Se o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) já chamava atenção de eleitores e opositores e intrigava analistas políticos à dianteira nas pesquisas de uma eleição atípica e imprevisível, o atentado que sofreu em Juiz de Fora (MG) o tornou protagonista de um momento que marca a história brasileira.

Com as eleições ainda adiante, "Bolsonaro - O Homem que Peitou o Exército e Desafia a Democracia", do jornalista Clóvis Saint-Clair, é um bom recurso para aqueles que gostariam de conhecer melhor o deputado e sua atuação política.

É um perfil extenso do candidato, com base em pesquisas em arquivos de imprensa e órgãos do governo, que traça a vida de Bolsonaro da infância modesta na região do Vale do Ribeira (SP) até o período eleitoral atual. Há ainda um capítulo sobre o capitão da reserva na intimidade, do primeiro casamento com Rogéria Bolsonaro, com quem teve os três filhos que hoje fazem parte de seu núcleo político, Carlos, Flávio e Eduardo; o relacionamento com Ana Cristina, mãe de Jair Renan; e o atual casamento com Michele, com quem tem a filha Laura. O capítulo final fala do sucesso de Bolsonaro na internet.

Como se trata de um candidato conhecido por declarações polêmicas - muitas vezes diz que suas falas são usadas fora de contexto -, em uma campanha marcada por notícias falsas ou distorcidas propagadas rapidamente pela internet, o livro é uma boa ferramenta para quem quer decidir por si mesmo o que pensar dos tais episódios, já que reproduz extensamente falas registradas em atas, vídeos e reportagens, além de programas de rádio e de TV.

Está no livro a famosa briga com a deputada Maria do Rosário (PT-RS), a quem disse que não merecia ser estuprada, caso ainda em andamento na Justiça, assim como a fala sobre quilombolas no clube A Hebraica. Protegido pela imunidade parlamentar, o candidato tem uma longa lista de episódios contra o alvo da vez, sejam indígenas, sejam quilombolas, homossexuais ou oponentes políticos.

Curiosamente, já teceu loas a Hugo Chávez (em 1999, quando o comparou a Castelo Branco), e o artigo que escreveu para a revista "Veja" em 1986 chamou atenção do PCB e do PCdoB, que emitiram instruções para "que os militantes explorassem ao máximo o descontentamento salarial dos militares criado a partir da entrevista do capitão Jair Messias Bolsonaro".

O episódio do plano para explodir bombas na Escola Superior de Aperfeiçoamento de Oficiais, na Academia Militar de Agulhas Negras e outras unidades do Exército também é detalhado, assim como o subsequente processo na Justiça militar, que terminou com sua absolvição por divergências de peritos a respeito da autoria do croqui publicado pela revista explicando como seriam as explosões.

O presidenciável já tem uma biografia ("Mito ou Verdade") escrita pelo filho Flávio, candidato ao Senado pelo mesmo partido do pai. Sem a participação de Bolsonaro e da família no livro de Clóvis Saint-Clair, não há grandes revelações para quem costuma acompanhar as notícias de perto. Como reproduz os discursos mais virulentos do deputado, mas não se furta a considerar suas falas homofóbicas ou racistas, "Bolsonaro" provavelmente não agradará aos extremos da atual polarização política, o que é uma virtude.

"Bolsonaro - O Homem que Peitou o Exército e Desafia a Democracia"

Clóvis Saint-Clair. Máquina de Livros. 192 págs., R$ 39,90 / BB+

AAA Excepcional / AA+ Alta qualidade / BBB Acima da média / BB+ Moderado / CCC Baixa qualidade / C Alto risco

Marina Della Valle, jornalista e tradutora, é doutora em Estudos Linguísticos e Literários em inglês pela Universidade de São Paulo.