Avant-première

Publicado em 12/01/2018 por Valor Online

Exposição retrata passagem do tempo Com 40 trabalhos de artistas como John Cage, On Kawara, Leonilson, Rivane Neuenschwander, Franco Vaccari e Mauro Restiffe (autor da foto "Time Structures"; detalhe acima), a exposição "Matriz do Tempo Real" tem abertura amanhã, às 11h, no Museu de Arte Contemporânea da USP (av. Pedro Álvares Cabral, 1.301, SP). Com curadoria de Jacopo Crivelli, a coletiva com vídeo, fotografia, pintura e performance trata da passagem do tempo, tanto no sentido filosófico e poético quanto no literal. Há trabalhos célebres, como "4'33''" (1952), de Cage, composição que consiste do som ambiente, e não de instrumentos tocados, e a série "Today", de Kawara. Em cartaz até 18/3. Taxar ou não taxar Como item principal da agenda da Motion Pictures Association (MPA) para 2018, que representa grandes estúdios americanos, está a discussão sobre possível tributação do governo ao mercado de vídeo sob demanda, que poderia alimentar a indústria nacional. O segmento, onde operam Now e Netflix, registra expansão. Convidada pelo ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, a opinar sobre o tema no Conselho Superior de Cinema, que formula políticas do audiovisual, Andressa Pappas, da MPA, diz: "Será mesmo necessária a intervenção do Estado num mercado que tem crescido de forma vertiginosa? Não acabaria afastando os investidores?". Em novembro, em reunião na Califórnia, Leitão ouviu dos executivos a preocupação com possível interferência. "É importante que exista um ambiente saudável e propício para investimentos no Brasil", diz Andressa. "Há muito tempo não dialogávamos com um ministro de pensamento parecido com o nosso, de que a cultura deve caminhar com os ativos econômicos." Basquiat inédito Curador da retrospectiva de Jean-Michel Basquiat (1960-1988) que circulará pelo Brasil a partir do dia 25 no Centro Cultural Banco do Brasil, inicialmente em São Paulo, Frederico Cursino afirma que o país nunca recebeu uma exposição dessa magnitude dedicada ao artista americano, disputada por diversos museus do mundo. Ao todo, são 80 obras, pertencentes à família Mugrabi, dona das maiores coleções de Basquiat e Andy Warhol. "A exposição trará obras bastante reveladoras de períodos significativos de sua produção", diz Cursino. O curador destaca quadros como "Hand Anatomy" (1982) e peças produzidas em parceria com Warhol, como "Heart Attack" (1984). Alívio para os livros Os números do mercado editorial até o início de dezembro apontam expansão de 6,2% em valores e 4,9% em volumes em 2017. Encomendado pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros, o painel realizado pela Nielsen BookScan, apresentou resultado acima do projetado. "É um alívio: pela primeira vez em três anos nosso desempenho está acima da inflação e do PIB do país", diz Marcos Pereira, presidente do sindicato e da Sextante. Os números ainda não incluem o balanço do Natal, mas não deve haver grandes oscilações. Segundo Pereira, a atual recuperação do país permite prognóstico favorável para 2018. "Durante a crise, as editoras tiveram de redimensionar suas atividades, o que as tornou agora mais ágeis." Outro aspecto positivo foi a diversificação, já que a importância dos 5 mil livros mais vendidos passou a ser de 44% para 50%, em faturamento. "É muito mais saudável essa pulverização do que a concentração em fenômenos que geralmente não se repetem no ano seguinte."