Carlos Ghosn continuará preso por mais dez dias

Publicado em 03/12/2018 por Valor Online

Carlos Ghosn continuará preso por mais dez dias

O executivo Carlos Ghosn ficará preso por mais dez dias, a contar de sexta-feita, ainda sem uma acusação, para que os promotores tenham mais tempo para interrogá-lo sobre as suspeitas de infrações financeiras, informou o Tribunal de Tóquio.

Ghosn era um dos principais executivos das montadoras Nissan, Renault e Mitsubishi e foi preso no dia 19 de novembro, acusado de ter violado a lei societária japonesa, divulgando um salário mais baixo que o real na Nissan. Greg Kelly, conselheiro da Nissan, também foi detido na ocasião.

A decisão do Tribunal de Tóquio está de acordo com o padrão usual para prisão de suspeitos no Japão, no qual a detenção pode ser estendida por três semanas antes de acusações formais. Durante este período, os promotores podem interrogar o suspeito sem um advogado presente.

De acordo com os promotores, os rendimentos de Ghosn foram de aproximadamente 10 bilhões de ienes (US$ 88 milhões) nos últimos cinco anos, cerca do dobro do montante oficialmente reportado. Ghosn e Kelly não devem ser soltos antes do dia 10 de dezembro.

O advogado de Greg Kelly, Yoichi Kitamura, criticou a decisão divulgada na sexta-feira. "É inaceitável que o período de detenção seja estendido em um esforço para extrair uma confissão", disse.

Em meio às prisões, a Nissan cancelou o lançamento previsto do seu carro elétrico, o Leaf, no salão do automóvel de Los Angeles.