Cooperativa dá nova vida para ex-carroceiros

Publicado em 16/04/2018 por Jornal do Comércio - RS

Pedro Paulo Bandeira Alves sustentou filhos e netos durante 40 anos com o dinheiro da venda de hortigranjeiros e resíduos recicláveis transportados em sua carroça. Alves, hoje com 67 anos, não esquece do dia em que o cavalo branco "lindo" que tinha ficou doente e morreu. "Aí, resolvi largar esta vida. Eu já estava injuriado, pois me incomodavam na rua com a proibição de trabalhar", narra ele, referindo-se à lei de Porto Alegre que impede carroceiros e carrinheiros de circular pela cidade. "Também não tinha mais idade para aguentar desaforo. Aí, vendi carroça e arreio." 
Do antigo ofício, Alves partiu para uma nova profissão, literalmente. Por três meses, em 2016, ele chegou a receber uma ajuda de custo do programa Somos Todos Porto Alegre, voltado a quem atuava com carroças e carrinhos. Enquanto isso, Alves e mais 100 ex-carroceiros, que passavam pela mesma transição, toparam aderir ao projeto da Cooperativa de Transformação Socioambiental (CTSA), que tem apoio da ONG Solidariedade, que atua na zona Sul da Capital, e da Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). O grupo aprendeu a produzir blocos para vedação de construções e pavimentação usando resíduos de obras, por isso ganharam o nome de ecoblocos. "Aprendi uma profissão", festejou o ex-carroceiro, na época.
A experiência empolgou o grupo. O associado da cooperativa Carlos Miguel de Oliveira, que sobreviveu da reciclagem puxando carrinho nas ruas da Capital por quase 20 anos, também viu na iniciativa a chance de mudar apostando em uma nova fronteira de trabalho e renda.
O projeto foi enquadrado na Rede Morar TS, que tem recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), o que possibilitou compra de máquinas para transformar resíduos de obras. A aluna de Engenharia Civil da Ufrgs Giulia Tomazi Kny explica que o equipamento faz a britagem do Resíduo de Construção e Demolição (RCD). "Tudo que sobra de uma obra usamos. Separamos materiais cerâmicos, pétreos e areia para obter agregados reciclados", detalha Giulia. O Laboratório de Ensaios e Modelos Estruturais (Leme) da Engenharia da Ufrgs apoia em testes de resistência e adequação dos produtos da CTSA a normas técnicas. 
Também por anos, a região do Cristal aprovou verbas do Orçamento Participativo (OP), hoje paralisado pela atual gestão municipal. Infelizmente, até hoje, conta o coordenador administrativo da ONG, Sérgio Bueno do Amaral, os recursos nunca chegaram a ser repassados. As verbas seriam usadas para adquirir novos maquinários e melhorar os blocos, diz Amaral.
Em 2016, primeiro ano da iniciativa, os ex-carroceiros chegaram a produzir blocos para pavimentação que foram usados em passeios públicos pela prefeitura. Mas limitações de resistência do produto para uso em vias acabou interrompendo as encomendas. Hoje, a CTSA busca se inserir em projetos de habitação do município usando incentivos da legislação para compras oriunda de cooperativas.
"Nosso trabalho é muito bom, o problema é que a renda é pouca", lamenta Oliveira. "A gente produz, mas não consegue vender. Acabei voltando para a reciclagem com carrinho. Ficar parado não dá", justifica ele. Oliveira e Alves, ao lado de Amaral, Giulia e das colegas do projeto da Ufrgs mantêm os testes para melhorar, os blocos e aguardam a chance de conseguir que lojas queiram vender os materiais. A comercialização também é decisiva para atrair muitos ex-carroceiros que se afastaram, pois necessitam de ocupação que assegure renda.