Investigada pela Polícia Federal, Gradual Investimentos encerra atividades na bolsa

Publicado em 16/05/2018 por Jornal do Comércio - RS

A Gradual Investimentos, citada em investigação da Polícia Federal (PF), anunciou o encerramento de suas atividades na bolsa.
Em seu site, a corretora diz que realizará as operações "apenas para zeragem e transferência de posições" e solicita que os clientes aguardem instruções.
Não está claro se outros serviços da Gradual, como de câmbio, continuarão operando ou também foram encerrados, implicando o fechamento da corretora. Procurada, a empresa ainda não se manifestou.
Para transferir a custódia, os clientes da Gradual devem preencher um formulário STVM (Solicitação de Transferência de Valores Mobiliários) disponibilizado no site da corretora, reconhecer firma e encaminhar para o e-mail custodia@gradualinvestimentos.com.br e atendimento@gradualinvestimentos.com.br.
Segundo seu site, a Gradual tem 60 mil clientes e R$ 7 bilhões em custódia.
Aberta em 1991, já foi das principais corretoras independentes do País. Além de câmbio e corretagem, oferece serviços de advisory (aconselhamento de investimentos), wealth management (gestão de fortunas), administração e custódia de fundos de investimento e emissão e escrituração de ativos financeiros.
Em abril deste ano, a PF deflagrou nova fase de uma operação que investiga o envolvimento de corretoras em um esquema de fraudes com a aplicação de recursos de institutos de previdências municipais em debêntures (títulos de dívida) sem lastro.
As fraudes teriam sido registradas em RPPS (Regime Próprio de Previdência Social) de 28 cidades e, no total, superariam R$ 1,3 bilhão. O esquema replicaria fraudes apuradas na Operação Lava Jato.
Executivos da Gradual, que negam as acusações, chegaram a ser presos.