Pêssego de Pelotas

Publicado em 12/02/2018 por Jornal do Comércio - RS

O falecido empresário rural Valdemar Fischer era um apaixonado pelo pêssego Aldrigui. Fischer teve participação importante nas famosas Festas do Pêssego, na Colônia de Pelotas, nas décadas de 1950 e 1960, bem como na primeira edição da Festa Nacional do Pêssego (Fenapêssego), em dezembro de 1973, nos pavilhões da Associação Rural de Pelotas. Em todos estes eventos, que fazem parte da história do turismo de Pelotas, o pêssego Aldrigui foi uma participação constante e positiva. No encerramento da bem sucedida Fenapêssego, em dezembro de 1973, Pelotas projetou-se como capital do Pêssego, homenagem mais do que justa a Família Aldrigui Pêssego. Hoje, infelizmente, perdemos este título-distinção para outras cidades. ( Samir Curi Hallal, empresário, Pelotas/RS)
Lei da Previdência Social
Apesar das manifestações demagógicas em contrário, a Previdência Social brasileira é, de fato, deficitária. Mas o projeto de reforma do governo é mais um remendo inócuo, que não iria resolver o problema. Se aprovado, seria mais um remendo acrescentado na colcha de retalhos em que já transformaram a legislação previdenciária. Para acabar com o déficit, bastaria reeditar a Lei nº 3807, de agosto de 1960 - primeira Lei Orgânica da Previdência Social -, com pequenos reajustes nos limites de idade para o gozo dos seus benefícios e revogar todas as normas posteriores, que desvirtuaram o seu sentido básico. O mesmo vale para a lei que criou o FGTS. ( Cláudio José Fonseca Ferreira, Porto Alegre)
Solução
As críticas raivosas proferidas por deputados estaduais de oposição ao governador José Ivo Sartori (PMDB), nos debates do projeto do Regime de Recuperação Fiscal na Assembleia Legislativa, deixaram a convicção de que se o ex-governador Tarso Genro (PT, 2011-2014) tivesse se empenhado para solucionar o problema da dívida do Estado, nos mesmos termos que estão agora cobrando do atual chefe do Executivo, certamente não haveria a necessidade desta matéria ter tramitado neste momento. É pelo que o antecessor deixou de fazer que o problema existe. ( Roberto Fissmer, Porto Alegre)
Livre mercado?
Esse é o lado dos empresários donos da verdade ( CEO da Riachuelo defende maior ação empresarial nos rumos do País, Jornal do Comércio, edição de 06/02/2018). O livre mercado, defendido por eles, é dos poderosos e ricos. Os pobres e humildes não têm acesso ao mercado, a não ser como escravos e servos, de uma casta de exploradores, que só pensam no lucro e destilam ganância! A história está repleta de exemplos concretos! ( Daciur Santos, Porto Alegre)