Porto Alegre perde 4 mil voos em cinco anos

Publicado em 12/02/2018 por Jornal do Comércio - RS

Porto Alegre está ficando mais distante de outras capitais no que se refere ao tamanho da malha aérea que liga a capital do Rio Grande do Sul a outras grandes metrópoles. Em cinco anos, entre 2013 e 2017, segundo dados Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), foram realizados cerca de 4 mil voos a menos tendo como origem o aeroporto Salgado Filho. Foram 34 mil voos regulares domésticos e internacionais partindo da cidade, ante cerca de 30 mil em 2017, uma redução de cerca de 10%.
A desaceleração não é um caso isolado de Porto Alegre e ocorreu também em cidades como Curitiba (PR) e Belo Horizonte (MG). De acordo com a Anac, em 2016, o setor apresentou sua primeira redução em 10 anos, com queda de 5,7% no número de passageiros/quilômetros pagos transportados. E, ao que tudo indica, a redução deve aparecer também nos dados de 2017, que ainda estão sendo compilados.
Mas, de acordo com a Fraport, que hoje gerencia o aeroporto Salgado Filho, estão previstos, para este ano, dois novos voos. A Copa Airlines deverá iniciar, no dia 20 de fevereiro, quatro frequências adicionais internacionais por semana para a Cidade do Panamá, com conexão para América do Norte, América Central e Caribe. E a Aerolíneas Argentinas inicia, a partir de 3 abril, novo voo diário para o aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires.
Em Porto Alegre, empresários do setor de hotelaria, turismo e eventos, no entanto, lamentam o fim de operações ocorridas nos últimos anos, especialmente no caso de ligações diretas que partiam da capital gaúcha para diferentes destinos. O mais recente exemplo desse "descolamento" aéreo da cidade foi o cancelamento do rota direta entre a capital gaúcha e Florianópolis, pela Gol, a partir do dia 24 de março. O fim da operação trouxe à tona o fato de que a conexão sem paradas, que já chegou a ser oferecida por quatro companhias, agora passará a ser feita apenas pela Azul. A Latam, por exemplo, já havia encerrado o voo direto entre as duas cidades em 2013.
João Augusto Machado, presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens no Estado (Abav-RS), lamenta as limitações aéreas na cidade, e avalia que o cenário pode desestimular viagens. "Claro que isso afeta bastante o mercado, tanto para sairmos de Porto Alegre quanto para recebermos pessoas de fora. Hoje, por exemplo, temos apenas um voo diário para a Argentina. Em feriados e datas especiais, isso é um problema, como foi no jogo do Grêmio na Argentina, no ano passado", exemplifica Machado.
O executivo pondera que a questão depende de um delicado equilíbrio financeiro. "Passagens mais baratas estimulam viagens, mas podem não ser viáveis para a companhia. E passagens mais caras afastam os interessados", diz o executivo da Abav.
O caso da conexão direta entre Porto Alegre e Florianópolis, lembra Machado, tem impacto, por exemplo, no turismo de lazer e de negócios. Presidente do Sindicato de Hospedagem e Alimentação de Porto Alegre e Região (Sindha), Henry Chmelnitsky diz que as reduções são pontuais e podem ser revistas pelas companhias futuramente.
A boa notícia é que a Azul, que segue na rota direta, afirma que, com a retirada da concorrente desse mercado, poderá ampliar a oferta colocando aviões maiores para voar neste trecho. "Poderemos promover uma troca de aeronave, para um modelo maior, com capacidade para 174 clientes. Hoje, a capacidade é de 118 passageiros", antecipa Daniel Tkacz, diretor de planejamento de malha da Azul.
O executivo ressalta, ainda, que a companhia tem inclusive ampliado a aposta no Estado, com voos regionais. Recentemente a empresa começou a operar a rota Porto Alegre-Santo Ângelo. Além disso, a companhia tem ligações históricas com a cidade. "Porto Alegre foi, junto com Campinas, a cidade onde a Azul fez sua estreia, e estamos muito satisfeitos com o retorno", ressalta Tkacz.
Sobre rumores e temores de que a empresa pudesse parar de operar a rota entre Porto Alegre e Montevidéu, o executivo garante que não há essa possibilidade. Inclusive, diz Tkacz, a companhia opera com voos específicos para além da capital uruguaia no período de verão, com ligação direta do Rio Grande do Sul a Punta del Este.