Prática de artes marciais na infância auxilia no desenvolvimento

Publicado em 12/10/2017 por O Estado do Maranhão

Professor orienta jovens durante aula de Muay Thai

SÃO LUÍS - Inspiradas pelos pais, pelos desenhos animados ou pelos filmes, as crianças se interessam cedo pelos esportes de luta. Os movimentos variados realizados durante a prática do esporte podem favorecer o desenvolvimento dos pequenos, além de trazer benefícios psicológicos, como a possibilidade de enfrentamento e o controle da agressividade.

As artes marciais são uma ótima escolha para as crianças, principalmente, as mais indisciplinadas. No entanto, devem entrar na vida dos pequenos como uma brincadeira, com muita cambalhota e risada, para que eles tenham vontade de praticar.

Além dos benefícios físicos, a luta desenvolve importantes habilidades nas crianças, principalmente a disciplina. Nas aulas, o professor ensina não só a técnica, mas também ajuda a mudar o caráter do aluno. Juntos, desenvolvem o trabalho em equipe, a autoestima, a autoconfiança e o respeito ao próximo.

A psicóloga Tayna Taciana Sousa acredita que aprender princípios que fazem parte da filosofia das artes marciais, como respeito, disciplina e autocontrole, é um dos grandes benefícios desse tipo de atividade. "Trabalhar os esportes de luta também para educação é muito importante. A interação entre pessoas com a prática do esporte desenvolve um novo comportamento social e psíquico a partir da própria estrutura da hierarquia, das regras e da parte ética", afirma.

O treinador Júlio Pires, líder do Centro de Treinamento Fúria Combate, acredita que é preciso que os pais se preocupem com a formação dos instrutores para que esses benefícios nos pequenos se concretizem de fato. "Eles devem cobrar uma formação coerente com a proposta oferecida e o comprometimento com a saúde da criança", destaca.

É comum que o comportamento aprendido com os mestres seja levado para o cotidiano da criança. Por isso a importância de encontrar instrutores que tenham uma boa preparação, que saibam ensinar valores positivos e estimular os alunos contra a violência.

Influenciar de forma significativa na formação das crianças e adolescentes através das suas potencialidades particulares, fazendo um trabalho preventivo, afastando crianças e adolescentes da marginalidade. "A criança aprende pelo exemplo. Se o professor for justo e correto, e os pais, respeitosos, ela também será. A violência atribuída a lutadores sempre esteve atrelada ao ambiente a que são expostos ", afirma Júlio Pires.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.