Reunião da Executiva do PSDB para discutir Previdência ocorre esvaziada

Publicado em 06/12/2017 por O Globo

BRASÍLIA - A reunião da Executiva Nacional do PSDB marcada para a manhã desta quarta-feira, para discutir a posição do partido em relação à reforma da Previdência, começou esvaziada. Não estão presentes o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que deve assumir a presidência do partido; o senador Tasso Jereissati (CE), que ocupou o comando da sigla interinamente; nem o líder da bancada na Câmara dos Deputados, Ricardo Trípoli (SP).

Compareceram o presidente afastado do PSDB, senador Aécio Neves (MG); o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy (BA); e o deputado federal Bruno Arapujo (PE), que deixou recentemente o Ministério das Cidades. Para explicar detalhes da proposta, foram ao encontro o secretário de de Previdência Social do Minstério da Fazenda, Marcelo Caetano, e o relator da proposta na Câmara, Arthur Maia (PPS-BA).

O partido já informou que não irá fechar questão em torno da proposta. O objetivo da reunião desta quarta-feira é apenas debater o contéudo da reforma e tirar eventuais dúvidas.

Na noite de terça-feira, durante encontro da bancada do partido da Câmara, Geraldo Alckmin, afirmou que é a favor da reforma, mas disse ser contra o fechamento de questão exigido pelo governo. Para ele, o importante é o "convencimento" dos parlamentares.

- Minha posição é favorável à reforma, mesmo que não seja a ideal, mas é a que temos hoje e é necessária ao país. Nossa posição é favorável, e a bancada já sabe disso. Fui deputado federal durante oito anos e nunca teve fechamento de questão. Em política, você convence. Política é convencimento. No que eu puder ajudar no convencimento, o farei - disse Alckmin, ao sair do encontro com parte da bancada de deputados federais tucanos.