Sindicato cobra estudo técnico

Publicado em 14/11/2017 por Folha de Londrina


O presidente do Sindserv (Sindicato dos Servidores Municipais de Londrina), Marcelo Urbaneja, espera que a Secretaria Municipal de Educação apresente um estudo que justifique a ampliação das horas antes de se posicionar em relação à mudança. "Somos favoráveis à maior permanência dos alunos na escola, desde que não prejudique os professores. Até agora só recebemos informações fragmentadas, queremos ver cálculos e documentos assinados antes de nos posicionarmos."

O dirigente sindical reforçou que não vai se posicionar "sobre uma ideia", mas adiantou que o sindicato não pode concordar que o descanso semanal dos docentes, por exemplo, seja prejudicado, o que ele acha possível acontecer com atividades de formação continuada previstas para os sábados. "É um dia de descanso, não adianta só aumentar o salário se não tiver qualidade de vida."

Outra preocupação se refere aos profissionais que eventualmente rejeitem o aumento de carga horária. "Eles vão ficar como estepes, podem ser remanejados para escolas distantes. É um prejuízo grande." Por isso, Urbaneja insistiu que secretaria apresente um estudo técnico antes de fazer mudanças já para 2018. "Alguém precisa se responsabilizar", cobrou.

MÃES
A trabalhadora autônoma Graziela Abreu da Silva, mãe de de Rafaela, 7, e Beatriz, 9, matriculadas na rede municipal, se declarou totalmente favorável ao aumento na jornada. "Elas vão aprender mais, em um contexto preparado para isso. Acredito que minhas filhas estarão em mais condições de igualdade em relação a crianças de escola particular", comparou.

A representante comercial Gisele de Castro Sanches, mãe de Cauê, 6, é integrante da Associação de Pais e Mestres da escola onde o filho estuda e, como mãe, acredita que a ampliação da jornada será benéfica. "Mas também entendo as limitações das professoras, muitas dão aulas em duas escolas e vão se sacrificar em relação ao horário", opinou.

Ela espera que a secretaria chegue a uma solução que contemple a todos. "Quatro horas é muito pouco tempo para estar na escola, uma hora a mais fará muita diferença."