Vereadores rejeitam regime de urgência para lei que acaba com cobradores nos ônibus

Publicado em 03/12/2018 por Gazeta do Povo

Cobradores aguardam do lado de fora da Câmara Municipal o resultado da votação do regime de urgência da chamada "Lei do Desemprego".

Em votação apertada, a Câmara Municipal rejeitou pedido de regime de urgência que pretendia trazer para plenário já na próxima semana o projeto de lei que amplia a bilhetagem eletrônica no transporte coletivo da cidade, em substituição à função de cobrador. A manhã, mais uma vez, foi de mobilização da categoria, que presenciou a derrubada do pedido por 18 votos a 16 (veja como foram os votos).

Encaminhado pelo vereador Rogério Campos (PSC), ligado a Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região, o trâmite acelerado pretendia conseguir - o quanto antes - a derrubada definitiva da proposta, de autoria do Executivo. Após ver a estratégia frustrada, o parlamentar comentou o resultado: "por um voto que não deu empate; o plenário demonstrou para todos uma grande insatisfação com esse projeto de lei que é uma exposição da casa, colocar um projeto de desemprego num país que tem 12, 14 milhões de desempregados. Não adianta querer maquiar: a finalidade dele é criar desemprego", avaliou.

O sindicato fala em risco de seis mil demissões, número negado ela Urbs, que crava em 3.424 os profissionais que atuam na função em Curitiba.

A partir do resultado da votação desta segunda-feira (3) que manteve a tramitação normal do tema, a matéria passa a ser debatida nas comissões permanentes em 2019. De acordo com o estabelecido no parecer da procuradoria da Câmara, a proposta deve passar pelas Comissões de Constituição e Justiça, de Economia e De Serviço Público.

LEIA MAIS: Extinção de cobradores não significa redução da tarifa de ônibus para o usuário

Ainda antes da votação do pedido de regime de urgência, o líder do prefeito na Câmara criticou a tentativa de adiantar as discussões. "A prefeitura, quando protocolizou esse projeto aqui, ela não tinha pressa, ela queria justamente que passasse pelas comissões, que houvesse o debate", defendeu Pier Petruzziello (PTB). "Eu acho que não é uma sangria desatada, eu acho que nós temos condição de dialogar inclusive com a categoria, conversar com os cobradores. [...] Ninguém vai fazer algo para desempregar ninguém, isso não existe", finalizou.

Outro vereador contrário ao regime de urgência foi Thiago Ferro (PSDB), presidente da Comissão de Economia e Finanças da casa. Durante a discussão, o tucano revelou ter enviado às empresas do transporte coletivo uma série de questionamentos para embasar as discussões e cobrou tranquilidade para o debate. Dentre os dados solicitados às empregadoras estão a quantidade de cobradores em cada empresa, quantos deles devem se aposentar nos próximos anos, a existência ou não de programas de requalificação profissional e os custos da implementação da bilhetagem eletrônica e as vantagens da mesma. Ferro cogitou ainda a possibilidade de montar uma comissão específica para tratar do tema a partir de 2019.

VÍDEO: Presidente da Urbs fala sobre desafios do transporte coletivo em Curitiba

Receio

As reações ao projeto de lei começaram assim que a proposta foi encaminhada à Câmara, em outubro. Se a regra for aprovada, a presença dos cobradores deixa de ser obrigatória nos coletivos, possibilitando a extensão da cobrança exclusiva com validadores eletrônicos em todo o sistema, o que levou a categoria a apelidar a medida de "Lei do Desemprego".

VEJA TAMBÉM: Mesa Executiva da Câmara de Curitiba quer economizar R$ 28 milhões em 2019

Apesar da resistência e dos protestos da categoria, a Urbs garante que a medida não provocará demissão em massa. Segundo o presidente da empresa, a modernização do sistema vai ocorrer gradualmente, ao longo de quatro anos - a partir dos desligamentos naturais e das aposentadorias.

Veja como votaram os vereadores:

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/12/03/Parana/Imagens/Cortadas/card-kfo-U204116462213crC-1024x2048@GP-Web.png