Desafios da USP

Publicado em 12/10/2017 por Folha de S. Paulo Online

Publicidade

Após consulta eletrônica a professores, alunos e funcionários, a Universidade de São Paulo definirá, no próximo dia 30, uma lista tríplice de nomes para ocupar a reitoria no período de 2018 a 2022, a ser submetida ao governador Geraldo Alckmin (PSDB), a quem caberá a escolha final.

Poucas vezes uma eleição foi tão decisiva para a mais prestigiada instituição de ensino superior do país. Muito de seu futuro está em jogo, mais que o usual, pois o nome escolhido lidará com a crise orçamentária e de reputação que a universidade vive.

Administrações passadas deixaram inchar -ou empenharam-se nisso com afinco- a folha de pagamento de pessoal. Há anos as despesas com os servidores ultrapassam a receita da universidade, obrigada assim a cortar investimentos e a sacar reservas para se manter à tona.

Não há estabelecimento acadêmico capaz de manter o prestígio nessa condição insustentável de finanças. Seria exagero dizer que a USP está em decadência, decerto, pois sua qualidade foi construída ao longo de décadas; despontam, porém, sinais preocupantes.

No último Ranking Universitário Folha, ela caiu para a terceira posição, abaixo da UFRJ e da Unicamp. Há razões especiais para tanto, como o fato de a comunidade uspiana se evadir do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), um quesito de peso na metodologia do RUF.

Se seus alunos prestassem o Enade e obtivessem resultados similares aos de colegas da federal fluminense e da instituição de Campinas, como seria de esperar, a USP ocuparia o primeiro lugar, mas com superioridade menos evidente do que já foi no passado.

Como a corroborar a tendência de reputação em baixa, a USP tem caído em classificações internacionais. Após cinco anos entre o 101º e o 150º lugar do ranking de Xangai, resvalou para o bloco logo abaixo (151º a 200º). Na lista THE (Times Higher Education), na qual já ocupou a 158ª posição (2012), está há dois anos entre a 251ª e a 300ª.

A atual administração, tendo à frente o reitor Marco Antonio Zago, tem feito esforços para reequilibrar o orçamento, mas os resultados são, na melhor das hipóteses, modestos -dada a impossibilidade de demitir servidores estatutários. De janeiro a setembro, a folha de pagamentos consumiu 99% dos repasses do governo estadual.

Das quatro chapas inscritas na eleição, espera-se coragem de romper com o corporativismo, disposição para os ajustes e capacidade para dar à USP a projeção internacional que ela pode alcançar.

editoriais@grupofolha.com.br