A difícil luta do PMDB para juntar os cacos

Publicado em 07/12/2017 por A Tarde - BA

O PMDB baiano vai fechar 2017 com 51 milhões de problemas que emergiram das malas encontradas num apartamento na Graça no dia 5 de setembro. Dizem eles que o Dia D será em março, quando se abre a janela para quem vai mudar de partido.

É quando o partido saberá se a situação se ajustou e quem vai entrar ou sair. No mix de problemas de agora, três preponderam:

1 - Os detentores de mandato, que no ano novo vão disputar a eleição e ainda não sabem o que vão dizer para a plateia.

2 - Os que se sentem traídos porque viam Geddel sustentar um discurso de moralidade que deu nas malas.

3 - Os que se sentem traídos porque Geddel não repartia o butim.

Peso pena - O ex-deputado Genebaldo Correia disse nesta quarta, 6, sobre o rififi de segunda-feira, quando ele, João Santana, amigo de Geddel, e Lúcio Vieira Lima se xingaram na sede do partido, que luta para tentar reerguer o PMDB. Sobre o fato de ter sido chamado de Anão do Orçamento, afirma que assim que foi envolvido na CPI renunciou à liderança e logo depois ao mandato. Não tive medo de perder o foro privilegiado. E conclui afirmando que, no caso de briga pessoal, não entra. Sou peso pena.

Os inimigos de Genebaldo dizem que o peso dele não está no físico. É na consciência.

Memorando chinês

Na China, acompanhado de 21 empresários baianos, João Leão, o vice-governador, assinou ontem com autoridades da província chinesa de Tianjin um memorando de entendimento de cooperação entre os dois estados. Fala Leão:

- O povo chinês nos últimos 30 anos teve um grande salto de qualidade de vida, e agora vai contribuir para chegar a nossa vez. O memorando que assinamos ajuda muito nisso.

"

Subo nesta tribuna pela primeira vez e última vez, não por morte, mas porque estou abandonando a vida pública. É triste o que vi nesses sete anos. Saio totalmente com vergonha, não vou generalizar

Tiririca, deputado federal do PR de São Paulo, em discurso nesta quarta na Câmara, ao anunciar que, após dois mandatos de deputado federal, não vai mais se candidatar e está se afastando da política.

Fé no vice

Após encontro ontem na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), onde foi apresentar o Salvador 360, ACM Neto foi abordado pelo jornalista Rodrigo Bocardi, da Globo, que quis saber qual garantia os empresários teriam nos negócios com Salvador caso ele deixe a prefeitura em abril, para disputar o governo.

- Tenho um vice-prefeito preparado, em quem confio e que não quer minha morte.

No baianês: não confiava muito em Célia Sacramento, a vice do primeiro mandato.

Aposta tucana - E o deputado Jutahy Júnior (PSDB) vai mesmo conseguir uma vaga na chapa de Neto como candidato a senador? Quem mais quer é o deputado Adolfo Menezes, estadual que está de olho em Brasília com apoio de Jutahy:

- Ele é o candidato do partido.

Bobô e Bellintani

Bobô, deputado estadual do PCdoB, craque do Bahia no time campeão de 1989, hoje conselheiro em final de mandato, mas eleitor de carteirinha, diz que na eleição de sábado para a presidência do clube vai votar em Guilherme Bellintani.

A pergunta: e o fato de ele ser amigo de ACM Neto não o incomoda?

- Não creio que ele vá levar isso para dentro do Bahia.

Lambança - No campo dos tricolores governistas que fecham com Bellintani está o ex-governador Jaques Wagner e também Sidônio Palmeira, o marqueteiro do PT nas últimas eleições na Bahia.

Isso equivale a dizer que a disputa do Bahia está descolada da política estadual, embora os adversários de Bellintani batam nisso.

POUCAS & BOAS

O Instituto de Saúde Coletiva da Ufba, uma das principais usinas de pesquisadores do mundo, realiza nesta quinta o Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde, evento que trará pesquisadores europeus de universidades da Escócia e Reino Unido, que vão mostrar os efeitos das políticas de austeridade na saúde pública, especialmente da Espanha e Grécia, as mesmas daqui.

O saldo foi um aumento do número de doenças mentais e também infecciosas como a tuberculose, que está diretamente ligada ao empobrecimento da população. O reaparecimento do sarampo também foi detectado.

Arte Jesuíta no Brasil Colonial - Os reais colégios da Bahia, Rio de Janeiro e Pernambuco, de Anna Maria Fausto Monteiro de Carvalho, é o livro que o Grupo Odebrecht vai lançar quarta próxima (19h) no Instituto Feminino da Bahia (Rua Monsenhor Flaviano, Politeama).