PP fica dividido quanto à indicação de candidatura própria

Publicado em 13/03/2018 por Band

 / Divulgação PP Divulgação PP

Ainda há dúvidas em vertentes do Partido Progressista (PP) quanto à necessidade e acerto na escolha da legenda em lançar uma candidatura própria ao Governo do Estado, nas eleições deste ano. Em pré-convenção que será realizada no dia 24 de março, a sigla deve indicar o seu candidato para as eleições. O mais cotado é que o Deputado-Federal Luis Carlos Heinze seja escolhido como representante do partido para concorrer ao Palácio do Piratini.

 

A candidatura própria do PP faria com que o PSDB, partido que também vai lançar candidatura própria com o ex-prefeito de Pelotas Eduardo Leite, se afastasse de uma possibilidade de aliança. O que poderia prejudicar, principalmente, a campanha para a reeleição da Senadora Ana Amélia Lemos, um dos principais objetivos da sigla.

 

A própria senadora tem alertado o partido sobre as consequências que a candidatura própria pode trazer: "Se o partido não tiver a cautela e a prudência de construir uma boa coligação corremos o risco, e esse é meu alerta, de reduzir não só a bancada federal, mas também a bancada estadual", aponta Ana Amélia.

 

Uma das alternativas apontadas, seria o apoio progressista para a campanha de Eduardo Leite, podendo ter Heinze, inclusive, como candidato a vice-governador. De forma que a contra-partida dos tucanos seria o apoio para a candidatura ao senado de Ana Amélia.

 

O Presidente estadual do partido, Celso Bernardi, aponta, entretanto que a opção pela candidatura própria ao Governo foi feita democraticamente pelas lideranças do partido. E que isto não exclui as possibilidades de coligações.

 

"O fato de nós termos uma candidatura própria neste momento não impedirá nenhuma coligação, os outros partidos também têm suas ambições, digamos assim, de ter seu candidato próprio, como é o caso do PSDB. Nós temos sim a preocupação de fazer coligação, temos que preservar nossa grande prioridade que é a reeleição da Ana Amélia", afirma Bernadi. "Um questionário foi respondido pelos líderes em reuniões regionais e elas apontaram a candidatura própria".

 

Concorrem à indicação para governador pelo Partido Progressista, além do deputado Luis Carlos Heinze, o advogado tributarista do Vale dos Sinos, Antônio Weck. O colegiado do partido, formado por prefeitos e parlamentares escolherá o indicado por votação majoritária.