Adoção de áreas verdes da orla não tem interessados

Publicado em 01/12/2017 por Jornal do Comércio - RS

A sessão pública para apresentação das propostas para adoção das áreas verdes da orla do Guaíba não teve interessados. O ato ocorreu nesta quinta-feira na Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams). Mesmo assim, a pasta seguirá aberta para as parcerias tanto antes quanto depois da entrega da obra. Em troca da manutenção dos espaços ajardinados, as empresas têm direito a fazer propaganda de suas marcas em dez placas espalhadas pelos trechos.
"Continua em aberto a possibilidade de adoção, porque o fato de ter dado deserta pode mudar até o momento da inauguração da orla, e mesmo depois", defende o titular das Smams, Maurício Fernandes. O gestor salienta que qualquer empresa é bem-vinda a fazer parceria com a prefeitura. A adoção pode ser feita, ainda, através de consórcio ou por um conjunto informal de empresas. No Parcão, por exemplo, há quatro empresas operando na manutenção dos espaços.
Inicialmente, a sessão ocorreria no dia 9 de novembro, mas, segundo Fernandes, algumas empresas questionaram a adoção casada da orla com o canteiro central da avenida Presidente João Goulart. "Aí, fizemos uma retificação do edital e separamos as adoções. Mesmo assim, nem esses empresários que nos procuraram trouxeram propostas", lamenta.
A Smams seguirá divulgando a possibilidade de adoção das áreas verdes e dialogando com as empresas, a fim de tornar o acordo mais atraente. "O diálogo é muito importante. É um processo inédito, uma obra que ainda não está pronta e muitos não conhecem, mas é de primeiro mundo, moderna, bonita, bem feita. Os empresários que compreenderem e aportarem recursos ali certamente serão beneficiados", pontua. Para o secretário, adotar as áreas verdes da orla "é como adotar o pôr do sol do Guaíba".
Além do trecho 1, localizado entre a Usina do Gasômetro e a Rótula das Cuias, será oferecida para adoção a praça Júlio Mesquita, do outro lado da rua, e o trecho 2, que vai até o Anfiteatro Pôr-do-Sol. Mesmo desvinculada, a adoção dos canteiros centrais da avenida Beira-Rio e os entroncamentos desta com as avenidas João Goulart e Loureiro da Silva, e com a Aureliano de Figueiredo Pinto e a Augusto de Carvalho, também é possível e estimulada pela prefeitura.
Inicialmente prevista para ser entregue em outubro, a revitalização da orla do Guaíba atrasou e está prevista para fevereiro de 2018. A obra está sendo executada pelo consórcio Orla Mais Alegre, formado pelas empresas Procon Construções, Sadenco e SH Estruturas Metálicas. O investimento previsto é de R$ 68 milhões, oriundos de financiamento pela Corporação Andina de Fomento (CAF).