Brasil é o país mais perigoso para ambientalistas, diz Anistia Internacional

Publicado em 07/12/2017 por Rfi

O Brasil é o país do mundo que teve mais ativistas que lutam contra o desmatamento ou que defendem pequenos agricultores e sem-terra assassinados em 2016. Esta é uma das conclusões de um relatório divulgado pela Anistia Internacional, em Paris.

media

O documento mostra que, ao todo, 66 membros do Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores dos Direitos Humanos foram assassinados no ano passado no país, que é o mais perigoso do mundo para ambientalistas e defensores do acesso à terra. O Brasil é seguido por Colômbia, Filipinas, Índia e Honduras.

No país, lembra a Anistia Internacional, "os defensores do meio ambiente que lutam contra o desmatamento e defendem os interesses de comunidades enfrentam um lobby poderoso de empresas que exploram recursos naturais, se apropriam de terras e se opõem à reforma agrária".

Segundo o documento da Anistia, a maior parte das vítimas são indígenas e pequenos agricultores "expropriados de suas terras por interesses poderosos, ligados à exploração das riquezas naturais". A organização não-governamental constata que a situação, conhecida há vários anos, parece se agravar, principalmente "depois que as autoridades relaxaram na defesa dos direitos humanos"

Publicado por RFI