Projeto escolar despolui água do Rio Criciúma

Publicado em 12/11/2017 por Diário Catarinense

O Rio Criciúma, que sofre com a poluição desde o início dos processos de mineração no Sul de Santa Catarina, serviu de base para um projeto escolar que já é destaque no Estado. Alunos do Centro de Educação Profissional Abílio Paulo criaram um processo que transforma a água contraindicada para a vida de animais em potável. O  Ilhas Flutuantes utiliza plantas para filtrar os poluentes, e levou a escola à fase final do prêmio nacional Respostas para o Amanhã, da Samsung. Dos cinco projetos selecionados na região Sul do país, esse é o único de Santa Catarina.

Ideia da professora Simone Rocha da Rosa, que coordena o curso técnico de análises clínicas da instituição, o processo começou em julho do ano passado, com o foco na sustentabilidade. A poluição de rios e afluentes é um dos males da região, e por isso surgiu a ideia do projeto. Segundo Simone, o ph dá água do Rio Criciúma estava entre 3 e 4, considerada ácida, e por isso o grupo foi em busca de plantas que pudessem realizar a filtroremediação. Nesse processo, as plantas são responsáveis por filtrar impurezas como a pirita e o esgoto, entre outros.

As plantas escolhidas foram a sombrinha-chinesa (Cyperus alternifolius) e a caetê (Heliconia velloziana), que fazem naturalmente o processo de filtragem da água. Para testar a eficiência do projeto, cerca de mil litros de água do rio foram coletados, e as plantas foram facilmente encontradas na própria vegetação local. Ilhas com as plantas flutuantes foram colocadas sobre a água, e depois de alguns meses, já foi possível colocar peixes que hoje sobrevivem no local. O ph da água já subiu, está em 5, mas o trabalho é para que ela atinja a taxa ideal, 6,6.

Da sala de aula para a natureza, a intenção do projeto é fazer testes em larga escala, e contribuir com a despoluição do rio. Segundo Simone, a técnica pode ser aplicada in loco, já que tudo a própria vegetação necessária para fazer o trabalho de filtragem é facilmente encontrada na região. O resultado final do prêmio sai este mês, com premiação para os diretores, professores e alunos participantes.

Leia também:

Ônibus elétrico desenvolvido pela UFSC completa 40 mil quilômetros rodados

Economia sustentável ganha força em Santa Catarina

Pesquisadora de SC vence concurso alemão com projeto sobre produção e consumo sustentáveis