Rei dos dividendos aconselha que o investidor mire no longo prazo

Publicado em 13/11/2017 por Folha de S. Paulo Online

Publicidade

Um dos maiores investidores individuais da Bolsa brasileira, o economista Luiz Barsi Filho, ficou conhecido no mercado por ser o "rei dos dividendos". Para ele, o investidor que quer montar uma carteira pautada em empresas que distribuem parte de seu lucro a acionistas precisa escolher o que chama de "dividendos inteligentes".

"Isso significa que o investidor tem que direcionar os recursos para aquela empresa que está pagando um dividendo maior. E comprar uma grande quantidade de ações, para maximizar o dinheiro recebido [o dividendo é pago por papel]", diz.

Antes de comprar um papel, Barsi analisa o setor, o desempenho da empresa e a perspectiva para o segmento. "Eu não estudo uma empresa que hoje está pagando dividendos. Eu estudo uma empresa que possa vir a dar dividendos bons", diz.

Média dos últimos 5 anos dosdividendos distribuídos - Em %

Isso passa, segundo ele, pela necessidade de entender que, em alguns anos, a companhia pode reduzir ou mesmo interromper a distribuição do lucro.

"O importante é comprar ações que pagam dividendos e o investidor entender que, se a empresa estiver passando por uma fase de reequilíbrio financeiro, não deve sair vendendo o papel. Tem que esperar. Mostra a condição de parceiro da empresa", diz.

"Quem olha para índice da Bolsa, se sobe ou cai, está especulando. Quem olha para a empresa como um patrimônio se torna um parceiro para a vida. As empresas precisam de parceiros", completa.

TRABALHOSA

Se no passado era mais fácil identificar setores com empresas que mais distribuem lucro aos acionistas, hoje a tarefa está mais trabalhosa.

Até 2012, por exemplo, as empresas de energia eram consideradas boas pagadoras de dividendos. A fama acabou com a medida provisória 579, que mudou as regras para a renovação das concessões do setor e fez com que a distribuição de lucros por parte das elétricas despencasse.

Por outro lado, é possível montar uma carteira olhando para o setor da atividade e, depois, para a perspectiva de sustentabilidade desse segmento. "Existem setores perenes, como aviação, mas que tem histórico ruim para as empresas que atuam nele", diz Barsi.

Melhores pagadores dedividendos em 2017* - Em %

A nova realidade exige que o investidor analise caso a caso na hora de montar uma carteira de boas pagadoras de dividendos. Se fizer boas escolhas, o dinheiro distribuído pode servir até como renda extra na aposentadoria.

Antes de sair comprando ações, porém, o investidor precisa ter sangue frio para suportar as turbulências da Bolsa. "Quem investe pensando em dividendos precisa conhecer bem o mercado de ações, principalmente para não se assustar com a sua volatilidade", afirma Alexandre Amorim, da associação Planejar.

A seguir, a orientação é analisar os balanços e focar no longo prazo, de forma que eventuais prejuízos ou mudanças na política de dividendos não afetem a estratégia.

Por outro lado, se não houver tempo para se dedicar ao assunto, pode ser interessante terceirizar esse trabalho para um especialista. "Se a pessoa não tem esse conhecimento, é melhor optar por um fundo de investimento que tenha na carteira ações que pagam dividendos. Aí a escolha dos papéis é delegada a um gestor."

ENTENDA

O que é dividendo?
Parte do lucro da empresa distribuída aos acionistas. É isento de Imposto de Renda. O percentual mínimo tem de estar definido no estatuto social. Pela lei, pelo menos 25% do lucro líquido ajustado anual tem de ser destinado aos acionistas, mas o estatuto pode fixar um percentual menor

Como é pago?
Por ação detida pelo acionista. O crédito é feito em conta-corrente. O pagamento, em geral, é feito anualmente, após assembleia geral ordinária para aprovar os resultados do ano anterior. Algumas companhias pagam dividendos intermediários, que podem ser mensais, trimestrais ou semestrais

O que são juros sobre o capital próprio?
Outra forma de distribuir o lucro aos acionistas. A diferença é a tributação: há Imposto de Renda na fonte, com alíquota de 15%

Qual a diferença?
> Cada empresa define como o lucro será distribuído. No caso dos juros sobre o capital próprio, a companhia tem ganho tributário. O registro contábil é feito antes do LAIR (Lucro antes do Imposto de Renda)
> Dessa forma, os juros sobre o capital próprio entram como despesa na declaração de IR, e o acionista paga o imposto na fonte ao receber o provento. No caso do dividendo, o registro é feito após a apuração do lucro, com o imposto já recolhido