Cepea/CNA: PIB do agronegócio registra queda de 0,11% no 1º tri

Publicado em 28/06/2019 por Isto É Dinheiro

O Produto Interno Bruto (PIB) do Agronegócio brasileiro apresentou alta de 0,10% em março, mas acumulou queda de 0,11% no primeiro trimestre.
O setor agrícola registrou baixas de 0,05% em março e de 0,16% no primeiro trimestre, enquanto o segmento pecuário apresentou alta mensal (0,52%) e anual (0,04%). O levantamento é do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP), em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).
Conforme o estudo, o segmento de insumos agrícolas continuou impulsionado pelas indústrias de fertilizantes e de defensivos. De acordo com pesquisadores do Cepea, no primeiro caso, os maiores preços no primeiro trimestre de 2019 favoreceram o faturamento esperado para o ano. No segmento de defensivos, a produção esperada significativamente maior influenciou o resultado. No caso dos insumos pecuários, o aumento do PIB refletiu principalmente o comportamento da indústria de rações.
A pesquisa revela, ainda, que o setor primário é pressionado pelo crescimento dos custos de produção, “o que tem resultado em variação negativa do PIB para o segmento, apesar das elevações verificadas em valor de produção”, informa o Cepea. Os pesquisadores ponderam, entretanto, que no setor primário agrícola e pecuário tem se verificado, mês a mês, elevação média de preços e de quantidade produzida.
Na agroindústria de base agrícola, a menor produção esperada para o ano pressionou os resultados. Já no caso da indústria de base pecuária, a renda do segmento esperada para o ano tem sido pressionada pelo aumento nos custos de produção, embora os preços e o volume produzido dos produtos pecuários industriais tenham, em média, se elevado no acumulado.
O setor de serviços, verificou-se baixa no acumulado do trimestre. No resultado de março, porém, já se observou alta. “Indicadores de mercado vêm mostrando crescimento de vendas do grupo de produtos alimentícios e bebidas”, relata o Cepea. Além disso, as exportações do agronegócio relativamente ao mesmo período do ano passado estão em alta, aspectos que devem provocar uma reação, que deve ser verificada no segmento nos relatórios para os próximos meses.