Davos resiste à visão bolsonarista sobre agronegócio e meio ambiente

Publicado em 22/01/2019 por Blog do Kennedy

Por Kennedy Alencar
A reação da plateia ao discurso de Jair Bolsonaro será o melhor termômetro para medir o sucesso da viagem do presidente ao Fórum Econômico Mundial, em Davos, Suíça.
Obviamente, há interesse do público na proposta econômica em geral e na reforma da Previdência em particular. Aliás, sobre essa reforma, falta clareza e sobram balões de ensaio.
Bolsonaro promete falar bem do agronegócio brasileiro. O seu governo tem ala hostil à preservação do meio ambiente, como se a proteção fosse uma trava econômica ao agronegócio _visão simplista que não é compartilhada por boa parte desse fórum que teve início em 1971 e reúne grandes figuras dos setores público e privado de todo o planeta. É recomendável que Bolsonaro adote tom cauteloso.
O presidente brasileiro discursará nesta terça. Depois, responderá a questionamentos num encontro cujo tema é “Globalização 4.0”. Esse assunto causa arrepios nos que veem um “marxismo globalista” tomando conta do mundo.
Público amistoso
O ministro Paulo Guedes (Economia) deve apresentar propostas de agrado da plateia. A reação à fala dele, mais detalhada do que a de Bolsonaro, também será um bom termômetro do êxito ou fracasso da viagem.