Em Roda Velha, moradores ainda resistem em sair da beira do rio

Publicado em 13/10/2017 por Folha de S. Paulo Online

Publicidade

Sentado na varanda de sua casa, Cândido Alves dos Anjos, o "pai velho", já viu muita vida ""e lavoura"" passar diante de seus olhos.

Com 100 anos, lembra de quando Roda Velha, hoje rodeada de fazendas de algodão, se resumia a poucas casas e roçados na beira do rio. "Para chegar de uma casa a outra, era só mato", diz.

Ele vive em uma rua asfaltada, e seus filhos e netos têm celular ""mas só usam aplicativos de mensagem, porque o sinal de telefone ainda não chegou à vila.

A maioria dos seus 150 descendentes -de filhos a bisnetos- trabalha na agricultura. Parte comprou comércio ou migrou para serviços, como transporte escolar, em função da renda adquirida nas fazendas.

O campo e a cidade
Agronegócio impulsiona ocupação do país
Vilas surgem com expansão do agronegócio
Loteamento de fazendas comanda expansão

Mas ainda moram na beira do rio, que é limpo, e cultivam uma pequena roça.

Apesar de reconhecerem os avanços na comunidade, moradores ressentem-se da riqueza da Roda Velha "de Cima", onde vive a maioria dos fazendeiros. Lá há três escolas particulares. Embaixo, só uma pública.

"A única vantagem das fazendas são empregos, porque contribuir com a comunidade, nada", diz Cristiane Cruz, diretora da escola.

O subprefeito de Roda Velha, Ari Mário Mrovinski, discorda: "Quase 70% da receita do município vem das fazendas. Isso ajuda no desenvolvimento da cidade".

O fazendeiro Célio Zuttion diz que produtores doam para festas e igrejas e estão integrados à comunidade.