Entenda por que é quase impossível recuperar o corpo de americano morto por tribo isolada

Publicado em 03/12/2018 por Diário do Pará Online

Turista foi morto a flechadas por uma tribo que vive isolada, no Oceano Índico. (Foto: Reprodução)

Turista foi morto a flechadas por uma tribo que vive isolada, no Oceano Índico. (Foto: Reprodução)

Armados com arcos e flechas, assim estavam esperando os homens da tribo isolada da ilha Sentinela do Norte, onde testemunhas afirmam que o turista americano John Allen Chau, de 27 anos, foi morto. As informações são da BBC.

O governo indiano enviou policiais para a ilha remota do arquipélago de Andaman e Nicobar, no oceano índico, para ficarem "cara a cara" com a tribo, mas eles pararam o barco a cerca de 400 metros da costa.

Segundo o diretor-geral da polícia no arquipélago, em entrevista à agência de notícias AFP, Dependra Pathak, a primeira abordagem destaca a dificuldade da tarefa de recuperar o corpo, guardada por uma tribo isolada, por isso, a polícia decidiu ir embora e evitar um confronto.  

Corpo sendo observado

Segundo a polícia indiana, a tribo parecia estar observando provavelmente o corpo do americano.

Pescadores locais que ajudaram o turista americano a chegar à ilha disseram que o jovem foi enterrado na praia por membros da tribo.

De acordo com anotações deixadas pelo turista e divulgadas pela imprensa local, Chau queria contatar a tribo para divulgar o cristianismo.

A falta de informações concretas faz o governo indiano enfrentar um dilema complicado na tentativa de recuperar o corpo de Chau, determinando o que ocorreu no local, e ao mesmo tempo, protegendo a cultura dos membros da tribo.

A tribo da ilha Sentinela ainda é um mistério. Não há informações sobra a língua que eles falam, nem quantos integrantes são. A estimativa é que existam apenas entre 50 a 150 pessoas no local, proibido para visitas devido a contaminação com doenças, já que "sem imunidade, qualquer vírus pode matar toda a tribo".

(Com informações da BBC)