Equatorial é candidata a ativos da Eletrobras

Publicado em 14/11/2017 por Valor Online

Com a experiência na recuperação das distribuidoras Cemar (MA) e Celpa (PA), baixo nível de endividamento e um caixa de R$ 2,6 bilhões no fim do terceiro trimestre, a Equatorial Energia é tida pelo mercado como a principal candidata para adquirir algumas das distribuidoras que a Eletrobras pretende vender no próximo ano. Criada em 1999 pela PPL Global LLC, a Equatorial tem entre seus principais acionistas hoje a Squadra (14,7%), Opportunity (9,83%), BlackRock (5,77%) e o fundo soberano de Cingapura GIC (5,04%). Segundo o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Equatorial, Eduardo Haiama, ainda é cedo para dizer se a empresa disputará as distribuidoras da Eletrobras. "Ainda estamos vendo os números para decidir que ativos nos interessam", disse ele, em teleconferência com analistas sobre os resultados do terceiro trimestre, na última semana. A Equatorial fechou o trimestre com lucro líquido de R$ 312 milhões, 65,2% maior que em igual período de 2016. A modelagem da venda das distribuidoras da Eletrobras foi publicada na última semana pelo Conselho do Programa de Parceria de Investimentos (CPPI). O BNDES deverá abrir nos próximos dias os "data rooms" das distribuidoras. O leilão está previsto para ocorrer no fim de março ou início de abril. O diretor da Equatorial disse esperar pouca competição pelas distribuidoras da Eletrobras, já que a maioria delas está situada em áreas complexas. Das seis empresas, quatro estão situadas na região Norte: Amazonas Distribuidora (AM), Eletroacre (AC), Ceron (RO) e Boa Vista Energia (CERR). Outras duas ficam no Nordeste: Cepisa (PI) e Ceal (AL). A Equatorial também analisa a chance de adquirir o controle da Light, em processo aberto pela Cemig, mas, observa, é cedo para dizer qual será o interesse da empresa pelo negócio. "Estamos olhando oportunidades no mercado. Em todos os processos que estiverem 'na rua', pode ter certeza que estaremos lá [olhando]", afirmou. Haiama também comentou que a empresa analisa participar do leilão de transmissão da Aneel, em 15 de dezembro, mas não indicou em quais lotes a companhia tem interesse. "Estamos avaliando esse leilão de dezembro. Hoje, podemos afirmar que temos uma empresa de transmissão, dado a escala que atingimos. Sempre que houver leilões vamos analisar", completou.