Estudo da CDL aponta que economia de Santa Maria terá injeção de R$ 160 mi com pagamento do 13º

Publicado em 03/12/2018 por Zero Hora


Conhecida pelo expressivo contingente de servidores públicos - nas esferas federal, estadual e municipal -, Santa Maria terá uma injeção de, ao menos, R$ 160 milhões na economia local com o pagamento do 13º salário. A projeção é do Núcleo de Finanças e Economia da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) que é dirigido pelo economista Alexandre Reis.

Segundo ele, o valor levar em conta os servidores de órgãos ligados ao governo do Estado, à prefeitura, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Forças Armadas e Judiciário. A universidade é considerada a maior "empresa" do setor público de Santa Maria, uma vez que o orçamento da instituição tem sido, nos últimos anos, de mais de R$ 1 bilhão. 

Contudo, o valor apenas não é maior em decorrência da crise que envolve o Executivo estadual e que traz, a exemplo de 2017, o parcelamento do 13º dos servidores. Mesmo assim, aponta o economista, o comércio local deve ter um período de festas de Fim de Ano mais movimentado e atrativo que o ano anterior. 

Ainda que boa parte das famílias faça uso do 13º para fazer compras de Natal, uma tendência cada vez maior é a utilização do recurso - tanto o que já foi pago em 30 de novembro quanto o que será depositado no próximo dia 20 - para pagar contas atrasadas (em bancos ou no comércio). 

Além disso, a proximidade do começo do ano traz a necessidade de um planejamento das famílias com as contas "agendadas": IPTU, IPVA e, claro, compra de material escolar, destaca o economista. 

O dinheiro, enfatiza Reis, auxiliará também àqueles santa-marienses que se encontram no Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). Pesquisa do Núcleo de Finanças e Economia da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), realizada neste ano, verificou que 58,2% dos consultados - sejam pessoas física ou jurídicas - contabilizam algum débito em aberto com contas de cartão de crédito, água, luz, telefone, carnês de lojas. A média de atraso com essas contas varia de três a seis meses. E ainda se constatou que o valor do débito gira em torno de R$ 380.