Fernanda Takai volta à bossa

Publicado em 10/08/2018 por Valor Online

Fernanda Takai volta à bossa

Weber de Pádua/Divulgação

Em "O Tom da Takai", cantora trabalha com Marcos Valle e Roberto Menescal

Álbuns de releituras da obra de Tom Jobim são endêmicos no mercado nacional - o mesmo ocorre com o repertório de Vinicius de Moraes. Por mais honesto que seja o tributo, a proposta cansa os ouvidos, ao passo que o legado de Jobim, compositor brasileiro mais reconhecido no exterior, não urge por um trabalho de resgate, por assim dizer. Reedições de seu catálogo são muito mais bem-vindas.

Que bom que Fernanda Takai teve a ideia de fugir do padrão, trocando standards óbvios pelo lado B do maestro. Nada de "Águas de Março", "Garota de Ipanema" ou "Insensatez" aqui. "O Tom da Takai" garimpa pérolas obscuras como "Só Saudade", lançada pela cantora Cláudia Moreno em 1956 e nunca gravada pelo compositor. Ou "Aula de Matemática" (Jobim/Marino Pinto) e "Discussão" (Jobim/Newton Mendonça), costuradas num medley. Maior parte do repertório data da segunda metade da década de 1950, época pré-estrelato, em que Jobim tirava parte de seu sustento compondo por encomenda.

Mesmo as faixas mais notórias perigam ser desconhecidas do grande público. Caso da abertura "Bonita", que Jobim cantou em inglês no LP "The Wonderful World of Antônio Carlos Jobim" (1965), originalmente lançado no mercado americano. Já "Estrada do Sol" é uma exceção. Foi gravada por meio mundo: Dolores Duran, Sylvia Telles, Elis Regina, Gal Costa, Vanessa da Mata etc. Curiosamente, a própria Fernanda Takai já havia interpretado a faixa em "Onde Brilhem os Olhos Seus" (2007), seu primeiro álbum solo.

Fernanda vem do Pato Fu, banda icônica do pop rock nacional dos anos 90. Todo voltado à bossa, em especial ao cancioneiro de Nara Leão, "Onde Brilhem os Olhos Seus" surpreendeu fãs e multiplicou o público da cantora e compositora mineira. Ela voltaria a flertar com a bossa nova em outros solos, mas este "O Tom da Takai" é de longe o mais profundo mergulho da artista no gênero.

A habitual produção do marido, John Ulhoa, deu lugar aos veteranos bossa-novistas Marcos Valle (piano) e Roberto Menescal (violão). A dupla toca e assina todos os arranjos, além de comparecer nos duetos vocais de "Fotografia" e "Ai Quem Me Dera", respectivamente.

É um álbum genuinamente retrô, perfeito à voz frágil (porém sempre afinada) de Fernanda. Os fãs de bossa nova vão adorar, mas quem conhece a cantora de outros tempos deve torcer para que "O Tom da Takai" seja apenas um projeto passageiro. Fernanda não é só uma mera intérprete, afinal.

"O Tom da Takai"

Fernanda Takai Distribuição: Deck / BBB

AAA Excepcional / AA+ Alta qualidade / BBB Acima da média / BB+ Moderado / CCC Baixa qualidade / C Alto risco