Fui mais longe do que a minha qualidade permitia, diz Lugano

Publicado em 13/02/2018 por Folha de S. Paulo Online

Em nova função no São Paulo desde meados de janeiro, o uruguaio Diego Lugano, 37, admite que tem dificuldades para esquecer que não é mais jogador de futebol. Há menos de um mês, ele foi oficializado como diretor de relações institucionais da equipe que o projetou.

O ídolo são-paulino afirmou que pediu para ficar afastado do campo, mas que pretende ajudar no dia a dia com os jogadores, especialmente os mais novos.

À Folha, Lugano deu sua primeira entrevista desde que virou dirigente. Além de falar do cargo atual, afirmou que os principais rivais do São Paulo evoluíram nos últimos anos e que o clube precisa aproveitar o momento para crescer novamente sem perder a essência.

Não sei se o São Paulo parou no tempo. Os nossos adversários cresceram neste período. Não queria faltar com respeito a ninguém. Antes, ganhar de Corinthians e Palmeiras era até fácil porque eles não tinham nem de perto a estrutura do São Paulo. Ganhávamos de forma assídua, disse o ex-zagueiro.

Lugano também admite que sua carreira foi muito mais longe do que imaginava quando deixou a cidade uruguaia de Canelones em 1998. O zagueiro de personalidade forte afirma ainda que não teria a mesma atitude do zagueiro Rodrigo Caio, no duelo entre São Paulo e Corinthians, pelo Paulista-2017.

Folha - Não anunciou oficialmente sua aposentadoria do futebol. Colocou mesmo ponto final na carreira?

Lugano - Sim, é óbvio [encerrei a carreira]. Por questões físicas você tem que encarar essa etapa. É difícil se sentir um ex-jogador. Ainda mais no meu caso que faz um mês.

Assumi com o São Paulo esta nova etapa, uma oportunidade incrível, um reconhecimento da minha pessoa. Vou continuar fazendo muito do que fazia como jogador, como capitão, mas agora fora de campo. Começo do zero e tenho de aprender a ver as coisas mais institucionalmente. Tenho de ter paciência e não sei ter paciência. Estou descobrindo.

Se receber proposta para voltar aos gramados, aceitaria?

Não, não aceitaria. Já passou essa fase. Não passou a sensação de ser jogador. É impossível que ela passe até porque você vai no vestiário e pensa que é mais um. É difícil. Mas agora mudei o foco. Não sinto falta da concentração, mas das conversas com os companheiros, os encontros, os almoços. Mas essa transição é muito natural.

Como é sua nova rotina?

Hoje, tem muitos dias que não venho ao CT. Minha prioridade é outra. Sou um diretor institucional. Isso não é tão específico no futebol. Conversei com o pessoal do marketing para entender o São Paulo de maneira muito mais ampla, com mais interação entre torcida e jogadores e funcionários.

Esses dias estão sendo muito intensos. É impossível me afastar definitivamente do vestiário porque os jogadores têm uma imagem muito fresca e confiam em mim. Ainda tenho sido consultado sobre o futebol e participo de algumas coisas, mas não é a minha principal função.

Nos últimos anos, o São Paulo tem vivido crises políticas e sofre pressão da torcida em razão da falta de títulos. O clube parou no tempo?

Não sei se o São Paulo parou no tempo, mas sei que os outros times se desenvolveram em razão da melhora de gestão, de querer melhorar. Isso foi muito positivo para o futebol brasileiro.

Não queria faltar com respeito a ninguém. Antes, ganhar de Corinthians e Palmeiras era até fácil porque eles não tinham nem de perto a estrutura do São Paulo. Ganhávamos de forma assídua em razão da estrutura e não por ter o melhor time.

Hoje o Corinthians já cresceu, o Palmeiras também, o Grêmio, o Atlético-MG evoluiu e o Cruzeiro também. O Flamengo depois de tanto tempo tem um time da altura que sua torcida merece

Dentro desse contexto, o São Paulo tem que saber que hoje não é único. Não sei se naquela época o São Paulo era tão bom, talvez, era o único. Aí que estava a diferença.

Se o São Paulo com humildade e autocrítica enxergar isso como uma chance de crescer sem perder sua essência, sua origem, será uma maneira excelente para melhorar.

Eu comparo esse momento igual a 2003, quando cheguei. O São Paulo estava há muito tempo sem ser campeão. Tínhamos um timaço, mas não conseguíamos. Aí ganhamos um paulista e faturamos vários títulos. É o que falta para o São Paulo agora. Precisa encaixar um título para ter tranquilidade. Estamos fazendo tudo para que isso aconteça.

Todo o apoio, toda a tolerância que a torcida teve no ano passado, nesse ano penso que não vai ter. Esse peso joga também.

Teme ser um escudo da diretoria em razão do momento que o São Paulo atravessa?

A imagem que construí foi trabalhando, sendo honesto, sendo leal em tempos adversos. Então, não vejo nada diferente neste momento. Obviamente quando não tem resultados, a crítica vem. Se você tem medo, não pode encarar nenhuma profissão na sua vida, nenhuma etapa.

Não estou preocupado [em ser escudo]. Em 2017, quase caímos para a segunda divisão e eu estava no elenco.

Está participando das contratações do São Paulo?

Estou sendo consultado em alguns temas, mas não participei das contratações. Até porque cheguei depois. Fui consultado de algumas coisas internas. Só opino quando o Raí achar que devo participar.

O São Paulo tem um bom elenco. Formamos um elenco experiente e com juventude. Mas estamos com uma carga real de anos sem título, uma pressão muito grande.

É lógico que a situação financeira ainda é complicada. Temos limitações para contratar. Nesse aspecto, perdemos para nossos adversários.

Teria a mesma postura do Rodrigo Caio no lance com o Jô durante o jogo entre São Paulo e Corinthians, pela semifinal do Paulista-2017?

Todos sabem que eu não faria. Mas elogio para caramba o Rodrigo. Eu critico toda a hipocrisia que existe no futebol. Tanto o que falaram do Rodrigo quanto do outro lado. Até não acho um ato de grande fair play, ou de grande hombridade o que aconteceu. No futebol tem muito caso mais importante que você demonstra o fair play. Não é tudo aquilo que a imprensa fez naquele episódio. O Rodrigo é um gentleman, correntíssimo menino, profissional.

Como vê o futebol brasileiro em termos de gestão? Está muito atrás da Europa?

Como o Maracanã em 1950 foi bom para o Brasil, o 7 a 1 contra a Alemanha também fez muito bem para o Brasil. Vejo mudanças muito positivas para vocês brasileiros ou para nós que estamos no São Paulo, mas muito negativa para o resto da América. A gente sempre brinca que, como falava [César] Menotti, o dia que o Brasil começar a fazer a coisa séria será como os jogadores da NBA na Olimpíada. Todo mundo compete pela segunda posição porque os Estados Unidos vão ser campeão. O Brasil será igual no futebol.

Na minha primeira passagem pelo São Paulo, eu falava para os meus companheiros no Uruguai, na Turquia, que o Brasil não podia ser campeão com os conceitos atrasados que eu via nos programas de televisão, na maneira que falava dos dirigentes, como treinávamos. Eu achava impossível que o Brasil se sustentasse no tempo só pelo talento dos jogadores.

Hoje eu vejo outras conversas, outros valores, outros comportamentos, outras preocupações, outras exigências da imprensa, da torcida, dos treinadores, que estão melhores. Os treinadores mais estudados, mais preocupados. Os clubes e os estádios têm estruturas. O Brasil está mudando muito e para a melhor. Não sei quanto Alemanha, Inglaterra, Espanha são superiores aos times brasileiros. Ainda existem clubes com estruturas antigas.

Na minha opinião, falta o futebol brasileiro ser muito mais bem vendido mundialmente. Depois do futebol inglês, é o futebol mais equilibrado do mundo. Tem que arrumar um jeito de se preocupar para introduzir o futebol brasileiro de verdade em outro mercado porque é um futebol lindo, agradável, competitivo. Esta é a grande falha que vejo hoje.

Por exemplo, o futebol argentino, que é menor que o brasileiro, hoje se vende melhor para o mundo. Hoje você pergunta para um jogador na Inglaterra ou na Turquia, na França, se fala de Boca e River, mas não de São Paulo e Corinthians.

Não entendo como o futebol brasileiro com um campeonato competitivo, com 12 times brigando por título, não se preocupa com os horários, com montagem de espetáculo, não se preocupa em ser vendido melhor no mundo. Nesse aspecto, o Brasil está atrás. Não entendo o motivo. Porém, em estrutura, pela preocupação dos clubes vai melhorando e bem.

Ficou satisfeito com sua carreira de jogador ou esperava mais?

A realidade superou amplamente qualquer tipo de sonho e expectativa. Eu fui mais longe do que eu imaginava até talvez pelo que minha qualidade futebolística havia permitido. Capitão da seleção do meu país por dez anos, sou uma referência no meu país, joguei na Europa por oito anos. Em todo lugar que passei aprendi muito, fui respeitado, fui querido. Tenho uma vida econômica boa por causa do futebol. Conheci cultura, conheci pessoas. Não posso me queixar de nada.

Como analisa o futebol uruguaio atualmente? Qual a chance do Uruguai na Copa?

Um coisa é a seleção. Desde que [Óscar] Tabárez assumiu a seleção em 2006, começou um processo de mudança. É a única seleção do mundo que neste período classificou a todos os torneios da Fifa nas categorias sub-15, sub-17, sub-20, Mundial e Olimpíada. O Uruguai voltou a ser competitivo e ter a mística. E vamos chegar a Rússia com possibilidades de fazer uma boa campanha. Tudo isso graças ao processo sério de Tabárez.

Mas o futebol uruguaio é um desastre, é uma vergonha. Há muito tempo que internamente está tudo errado. Se investigar um pouco, vai ver que está uma briga muito grande para reverter isso. Contratos eternos, mal feitos, entrega de poder, pouca democracia. O que mostra atualmente o nível dos clubes. Jogadores vão embora antes da hora. Para quem fica não tem estrutura, não tem fisioterapia, não tem investimento de tecnologia, não tem nada. A situação é lamentável.

A seleção uruguaia é a nossa grande alegria para tentar mudar isso.

Você conviveu com dirigentes acusados e presos no Fifagate: Eugênio Figueiredo, Leoz, Teixeira, Grondona. Como viu o fim deles?

Vi com grande esperança. No Uruguai a gente sofre com todo este sistema corrupto, com entrega de poder, com contrato clandestino. No Uruguai ainda não conseguimos reverter essa situação. Estamos brigando forte para isso. Fiquei feliz porque as autoridades dos Estados Unidos começaram a investigar e com a solução que os casos estão tendo, mas também fiquei envergonhado porque eu também fui parte do sistema. Estamos vendo que as mudanças estão começando.

Os jogadores deveriam se posicionar mais?

Os jogadores estão com outra mentalidade, estão mais participativos. No Uruguai eu fui até ameaçado de morte publicamente por opinar e me intrometer contra o sistema. No Brasil, o que está faltando são os grandes craques da seleção brasileira de agora e de pouco tempo atrás se posicionem. Isso acontece no Uruguai. Os jogadores da seleção que tem mais força se posicionaram contra o sistema e, logo depois, os jogadores locais, que têm menor força, apoiaram.