Com Jacarta ameaçada pelas mudanças climáticas, Indonésia decide construir nova capital

Publicado em 28/08/2019 por Época Negócios

Jacarta está afundando mais rápido do que qualquer outra cidade no mundo
Já dura mais de 60 anos o debate sobre a nova capital da Indonésia. Mas foi em abril deste ano que o presidente indonésio, Joko Widodo, ordenou aos ministros a formulação de um plano para viabilizar a troca de capital. O resultado veio agora: a proposta é levar a sede do poder executivo para a ilha de Bornéu, mais especificamente para a província de Kalimantan Oriental, perto das cidades costeiras de Balikpapan e Samarinda, onde o governo já possui cerca de 440 mil acres.
Jacarta, atual capital da Indonésia, está afundando mais rápido do que qualquer outra cidade no mundo e convive diariamente com congestionamentos terríveis e uma qualidade de ar que figura entre as piores do planeta. A cidade, que abriga cerca de 10 milhões de pessoas, é, no entanto, não apenas a sede do executivo, mas também a capital financeira do país.
Com a mudança, figuras políticas e funcionários do governo devem sair da ilha de Java, e ir para uma das ilhas menos movimentadas do país — famosa pelos orangotangos ameaçados de extinção e pela densa floresta que já está dando lugar para plantações de óleo de palma.
Estima-se que a mudança de capital custe cerca de US$ 33 bilhões, dos quais, segundo reportagem do The New York Times, 19% seriam pagos pelo orçamento do estado e o restante por outros fundos provenientes de investimentos privados e parcerias público-privadas.
A ilha de Bornéu abriga territórios de três países: Brunei, Malásia e Indonésia. Entre suas qualidades, o governo destaca a proximidade do centro geográfico do país, a infraestrutura substancial e a ausência de um histórico de desastres naturais — ao contrário de ilhas como Java, Sulawesi, Bali e Lombok, que foram atingidas por tsunamis, terremotos e erupções vulcânicas nos últimos 20 meses.
Com a mudança, parte da população teme que os investimentos para proteger Jacarta do aumento do nível do mar diminua, o que o presidente garante que não vai acontecer.
"Jacarta continuará a ser prioridade e a se desenvolver como centro comercial, financeiro e de serviços", afirmou o presidente em entrevista ao The New York Times.
A proposta é que a construção da nova capital comece já em 2021 e que a cidade esteja pronta para receber seus novos moradores a partir de 2024, quando o segundo mandato de Joko estiver prestes a terminar.