Ministros do STF vão receber 18 vezes mais do que ganha o brasileiro

Publicado em 03/12/2018 por Yahoo Finanças

Aumento do STF, que passa a valer a partir de janeiro, deve ser, em média, 18 vezes maior do que o rendimento médio do brasileiro (Nelson Jr./ STF/Divulgação)

O novo salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal, o STF, que passa a valer a partir de janeiro do ano que vem, deve ser, em média, 18 vezes maior do que o rendimento médio do brasileiro, avaliado em R$ 2,1 mil.

Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, e consideram o aumento de 16,38%, sancionado pelo presidente Michel Temer na última segunda-feira, 26, que deve ter um efeito cascata de cerca de R$ 4 bilhões nos cofres públicos.

Por que o 'efeito cascata'?

O salário dos ministros serve de parâmetro para outros cargos do Judiciário porque estabelecem o chamado "Teto Constitucional", o valor máximo que pode ser pago aos servidores no país. Na prática, isso significa que, ao elevar os rendimentos do STF, outros servidores também podem ter um acréscimo em seus salários.

Considerado "modestíssimo" pelo ministro Ricardo Lewandowski, o valor é bem maior do que o de profissionais de outros países. Um estudo realizado pela Comissão Europeia para a Eficiência da Justiça em 2016 mostra que em alguns casos, os juízes do STF ganham cinco vezes mais do que ministros para desempenhar as mesmas tarefas.

Para se ter uma ideia dos valores, em 2014 um juiz da Suprema Corte dos países da Europa, órgão semelhante ao STF, recebia um salário 4,5 vezes maior do que um trabalhador europeu. No Brasil, com a aprovação do aumento, a diferença pode chegar a quase 40 vezes o valor do mínimo.