Na Fibria, Castelli liderou projeto de integração entre VCP e Aracruz

Publicado em 03/12/2018 por Valor Online

Na Fibria, Castelli liderou projeto de integração entre VCP e Aracruz

SÃO PAULO  -  Marcelo Castelli chegou ao comando da Fibria em julho de 2011, quando sucedeu a Carlos Aguiar na presidência da companhia. Na Fibria desde sua constituição em 2009, a partir da consolidação da Aracruz e da Votorantim Celulose e Papel (VCP), liderou o bem-sucedido processo de integração das duas produtoras de celulose e, como presidente, deu continuidade aos esforços de redução da dívida, decorrente dos prejuízos financeiros com derivativos cambiais herdados sobretudo da Aracruz.

O ajuste de contas passou pela venda de ativos, e encolhimento dos negócios. Mas, a partir da retomada da nota grau de investimento junto às agências de classificação de risco, a Fibria colocou em marcha em 2015 um novo plano de crescimento, que resultou em investimentos de mais de R$ 7 bilhões no projeto Horizonte 2, que incorporou uma nova linha de produção de celulose na unidade de Três Lagoas (MS).

Com a expansão, a capacidade instalada da companhia superou 7 milhões de toneladas por ano, consolidando-a como a maior produtora mundial de celulose de eucalipto.

Antes da transação com a Suzano Papel e Celulose, apurou o Valor, Castelli já estava preparando seu sucessor na Fibria, para assumir uma posição em outra empresa do grupo Votorantim.

O executivo de 54 anos acumulou mais de três décadas de experiência na indústria de celulose e papel e, agora, parte para uma nova indústria junto a velhos conhecidos. Antes de assumir a diretoria de operações florestais, suprimentos, papel e estratégia da recém-lançada Fibria, Castelli compunha os quadros da VCP, onde ingressou em 1997, e era tido como provável sucessor do então presidente Luciano Penido, que hoje preside o conselho de administração da Fibria. Antes de chegar à Votorantim, passou por Suzano, Bahia Sul e Aracruz.

O executivo é formado em Engenharia Mecânica pela Universidade de Mogi das Cruzes (SP), com licenciatura em Administração pela Faculdades Associadas de São Paulo (Fasp). Tem MBA em Administração pela Fundação Dom Cabral e participou de cursos de formação no suíço IMD.

A Fibria está em processo de fusão com a Suzano Papel e Celulose, em operação que dará origem à Suzano S.A. e tem conclusão prevista para 14 de janeiro.

Walter Schalka, presidente da Suzano, ficará no comando da companhia combinada. O executivo chegou à empresa da família Feffer em janeiro de 2013, oriundo da Votorantim Cimentos, onde foi presidente desde 2007 até ser convidado para assumir a Suzano Papel e Celulose.