Nelore puxa o carro de boi da pecuária sul-mato-grossense: mais de 85% do rebanho, estima entidade

Publicado em 26/04/2019 por G1 MS

Nesta quarta-feira (24) foi comemorado no país o Dia do Boi; data criada para valorizar a pecuária nacional.
O nelore é a raça a que puxa o carro de boi da pecuária em Mato Grosso do Sul. De um rebanho bovino de aproximadamente 21,4 milhões de animais, o quarto maior do Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 85% dos animais - a exemplo do que ocorre no país, são da raça, conforme estimativa da Associação Sul-Mato-Grossense dos Criadores de Nelore (Nelore MS).
O presidente da Nelore MS e diretor da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), Antonio Celso Chaves Gaiotto, aponta que esse predomínio da raça no estado e no país se deve principalmente as características destes animais como: rusticidade, precocidade, fertilidade e adaptabilidade. “O nelore, devido as suas características, praticamente ajudou a desbravar o território nacional”, comentou.
Antonio Celso ressaltou ainda que outra característica importante da raça é a sua funcionalidade, o que permite a terminação dos animais, com bom resultado de marmoreio na carne, somente a pasto, enquanto que outras raças demandam a utilização de suplementação no cocho ou confinamento.
O presidente da Nelore MS destacou ainda que além destas características, a raça ainda produz carne de qualidade. “A ACNB firmou uma parceria com a JBS, maior indústria de abates do país, no programa de Qualidade Nelore Natural. Em sua primeira etapa, em Campo Grande, em março foi abatido um lote de mil animais. A carne apresentou uma qualidade altíssima, para atender, por exemplo, mercados por carnes gourmet”.
Apontando que a qualidade genética do rebanho nelore do Brasil já é superior a da Índia, de onde é originaria a raça, ele aposta que a melhoria genética do rebanhos vai levar a produção de animais ainda mais precoces, com maior peso e carne com uma qualidade superior, com um preço compatível.
Atualmente segundo Antonio Celso, no estado o nelore vai para o abate com um peso entre 19 e 21 arrobas e em um prazo de 28 a 32 meses.
Além do nelore, pelo menos outras 13 raças de bovinos são criadas em Mato Grosso do Sul, conforme o consultor técnico do Sistema Famasul, Horácio Tinoco. Para a produção de carne: brangus, canchim, senepol, aberdeen angus, red angus, limosin, simental e caracu. Para leite: girolando, gir, holandesa, pardo-suiço e jersey.
Dia do Boi
Nesta quarta-feira (24) foi comemorado no país o Dia do Boi. A data foi criada para valorizar a pecuária nacional. Em Mato Grosso do Sul a atividade tem um papel de destaque. Além do quarto maior rebanho nacional, o estado é o segundo em abates, com cerca de 3,2 milhões de cabeças ao ano, de acordo com o IBGE.
O Valor Bruto de Produção (VBP) - indicador calculado com base nos volumes de produção e preços médios da pecuária, é o segundo maior do agro do estado, devendo atingir em 2019, R$ 7,882 bilhões.
Um dos principais produtos da atividade, a carne bovina, desossada e congelada, foi no primeiro trimestre deste ano, o terceiro no ranking de exportações sul-mato-grossense com receita de US$ 95,872 milhões.