Pecuária legal, um movimento nacional

Publicado em 12/08/2020 por Capital News

Pecuária legal, um movimento nacional

Por José Luiz Tejon Megido*

O Brasil vai saindo do módulo OU para o módulo E. Ou seja, com inteligência científica e emocional brasileiros do agronegócio vão cristalizando aquilo que tem que ser feito. E numa cadeia produtiva muito observada e exigida, a bovinocultura, criaram o movimento pecuária legal.

José Luiz Tejon Megido - Artigo

José Luiz Tejon Megido


Não adianta reclamar contra ambientalistas. Precisa integrar o meio ambiente na produção como a liga do Araguaia, no Mato Grosso, nascida dos próprios produtores rurais. E são projetos em parceria com organizações nacionais e internacionais. Destaco o exemplo baixo carbono monitorando 82 mil hectares de pastagem junto com a Dow.

Da mesma forma a Marfrig, uma das maiores companhias de proteína animal do mundo, assume doravante o compromisso com a sustentabilidade, a responsabilidade social, cria um sistema de monitoramento e de database, com blockchain, para assegurar aos consumidores finais do planeta que na sua rede de pecuaristas todos são absolutamente legais.

Não adianta reclamar contra quem pede para não derrubar árvores e não desmatar. Como a própria ministra Tereza Cristina diz: “podemos triplicar o Brasil de tamanho sem derrubar uma árvore”. Temos milhões de hectares de terras degradadas esperando pelas práticas da agricultura de baixo carbono, da integração lavoura pecuária e floresta (ILPF).

Exemplos do módulo E produção E meio ambiente não nos faltam, como da mesma forma a pecuária sustentável da Amazônia, dentre vários movimentos, mostrando que o Brasil pode e sabe. Pode, tem conhecimento e sabe fazer, tem know how para oferecer um produto único ao mundo.

Ser legal. Pecuária legal. Não adianta reclamar contra quem pede bem-estar animal. Precisa ser legal. Legal na lei e legal na moral. O mundo está marcado pela dor e sofrimento. Já contabilizamos mais de 100 mil mortes no Brasil, o vice-líder desse tenebroso placar.

Precisamos divulgar, promover ações de consciência humana, onde o lucro faz parte, mas a moral do lucro dependerá da sustentabilidade com a qual está sendo feito. A hora do agronegócio, hora da pecuária legal e da moral. Hora do módulo E, derrotando o velho módulo OU.

 

 

*José Luiz Tejon Megido
Mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)