Portugal: Secretário de Estado não gosta das metas da descarbonização para a pecuária

Publicado em 06/12/2018 por Público Portugal

Primeiro debate público discute esta terça-feira roteiro para a neutralidade carbónica para 2050.
Por Lurdes Ferreira
O secretário de Estado da Floresta e do Desenvolvimento Rural, Miguel João de Freitas, está desagradado com a redução significativa de produção de bovinos prevista no Roteiro para a Neutralidade Carbónica para 2050 (RNC2050). “Temos necessidade absoluta de ter a componente animal no sistema”, disse esta terça-feira.
O documento, coordenado pelo ministro do Ambiente e da Transição Energética, indica, no cenário recomendado, que a produção de bovinos deve cair entre 25 e 50% até 2050 – a de maior peso –, admitindo que a de suínos possa crescer 18%. Miguel João de Freitas pede que se tenha uma “visão do sistema agrário” em que “a componente animal é absolutamente essencial” e o assunto seja “debatido em profundidade”.
O secretário de Estado assegura que o sector quer “modelos de produção sustentável, não tem de ser biológica”, que incluam conceitos como o da “intensificação sustentável”. “Falta acima de tudo o conceito racional técnico”, que “o RNC tem também que incluir”.
O primeiro debate público do plano junta durante toda esta terça-feira, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, os representantes dos sectores abrangidos (energia, mobilidade, indústria, agricultura e floresta, e água e resíduos), os responsáveis pelos estudos das áreas sectoriais do RNC2050 e alguns membros do Governo.
A questão da produção pecuária é consensualmente uma das mais sensíveis: por ser uma importante actividade económica em Portugal e pelo forte impacto que pode ter na redução de emissões não de dióxido de carbono mas de metano, sendo que este gás fortemente contribuinte para o efeito de estufa é emitido pelos bovinos. 
Menos delicada parece ser a previsão de uma floresta que tenha mais capacidade de sequestrar CO2, sendo decisivo, para isso, reduzir a área ardida anualmente para cerca de metade e aumentar mesmo o seu espaço. “Aqui a ambição tem de ser maior”, sublinhou. “Não é só incêndios e carbono é também como melhorar a floresta que temos.”
Francisco Avillez, responsável pela componente agrícola e florestal do roteiro, explicou que este trabalho de vários meses chegou agora à fase de audição pública e de estudo das implicações que decorrem do calendário e das metas e da adequação destas, por exemplo, à Política Agrícola Comum. Avillez não tem dúvidas de que “é possível uma contribuição significativa para a neutralidade carbónica” do sector agro-pecuário. Esta fase decorre até Março.
Segundo este especialista, a questão “não é fazer desaparecer os ruminantes, mas ajustá-los melhor ao objectivo da neutralidade carbónica”.
No debate houve quem sugerisse uma alteração da dieta dos portugueses, substituindo uma parte do consumo de carne de vaca pela de aves e porco.