Produção de carne na Amazônia pode crescer poupando área e recursos, aponta estudo

Publicado em 05/09/2021 por Por Canal Rural

A produção de carne bovina na Amazônia pode crescer em quantidade sem a necessidade de desmatar novas áreas e ainda poupando recursos. A constatação é de uma pesquisada divulgada pelo projeto Amazônia 2030. Segundo o estudo, na Amazônia Legal, onde estão 4 a cada 10 cabeças de gado no Brasil, é possível aumentar a produtividade empregando técnicas e recursos financeiros já disponíveis.

O estudo intitulado “As políticas para uma pecuária mais sustentável na Amazônia”, diz que a solução para a produção de carne sustentável envolve combater a grilagem de terras, recuperar pastagens degradadas e torná-las mais produtivas. Todas essas ações tem um custo total menor para os pecuaristas da região do que derrubar floresta para abrir pastos novos: R$270 milhões por ano, contra R?950 milhões do cenário em que há desmatamento.

Mencionando dados do Ministério da Agricultura (Mapa) que apontam para um crescimento de até 2,4% na produção de carne bovina para a próxima década, o estudo mostra que, para atender a essa demanda sem desmatar, os pecuaristas da Amazônia teriam de reformar entre 170 mil e 290 mil hectares de pasto degradado por ano até 2030, ao custo de R?3 mil por hectare. No total, seriam necessários investimentos entre R$ 270 milhões e R$ 873 milhões por ano. Já a produtividade das pastagens deveria passar dos atuais 80 kg por hectare para 300 kg por hectare.

Segundo o estudo, para produzir sem desmatar, os produtores da Amazônia Legal precisariam de um valor que pode variar entre 3% e 9,5% do crédito rural contratado para a região em 2020. São empréstimos feitos pelos produtores rurais e que, hoje, são principalmente empregados na compra de novos animais – mas que podem ser redirecionados para a recuperação de pastagens degradadas.

Em contrapartida, a opção pelo desmatamento derrubaria entre 634 mil e 1 milhão de hectares de floresta por ano. No custo por hectare, é um caminho mais barato do que o de recuperar pastagens: R? 1,5mil por hectare, valor necessário para desmatar e plantar pasto. Mas, nesse cenário, a área afetada é maior. Além do custo ambiental associado à derrubada da floresta, a medida tem um custo global maior: somados todos os investimentos que seriam feitos pelos pecuaristas, o desmatamento da Amazônia custaria entre R$ 950 milhões e R$ 1,63 bilhão por ano.

O trabalho mostra que, embora seja viável técnica e financeiramente produzir sem desmatar, não há garantia de que essa alternativa será dominante. Hoje, a pecuária na Amazônia é pouco produtiva. Em média, há 10 bois onde poderia haver 33. E é grande a extensão de pastagem com algum grau de degradação.

O estudo diz que esse quadro é resultado de um conjunto de “incentivos perversos” que desestimulam avanços técnicos: há muita terra barata disponível, mão-de-obra pouco qualificada e infraestrutura precária. Um cenário que dificulta o investimento nas áreas de pastagem já degradadas e que torna o desmatamento uma alternativa mais atraente para o produtor na Amazônia.

Para mudar o cenário, o poder público deve induzir o uso mais produtivo das terras, desestimulando a expansão de fronteiras agrícolas especulativas e ineficientes, e deve trabalhar para fornecer os serviços e a infraestrutura que vão facilitar os investimentos nas áreas já desmatadas.