Arte portuguesa invade SP no mês de junho

Publicado em 18/06/2017 por Folha de S. Paulo Online

Publicidade

Maior cidade lusófona do mundo, São Paulo vive uma invasão da cultura de Portugal, marcada por duas grandes exposições, atividades literárias, apresentações musicais e outras atrações.

Desde o último domingo e até 5/8, os paulistanos podem conferir a mostra "Tempo: Ilusão Imprecisa", dedicada à produção de Ernesto de Melo e Castro. Pioneiro da poesia experimental lusitana, ele é dono de uma obra que mescla poesia e artes visuais.

No próximo dia 24, parte do acervo do museu de arte mais antigo de Portugal estará aberta à visitação na Pinacoteca do Estado, na exposição "Coleções em Diálogo: Museu Nacional de Soares dos Reis e Pinacoteca de São Paulo". A ideia da mostra, que irá até 2/10, é articular o acervo das instituições.

A trajetória do Soares dos Reis, que funciona no Palácio das Carrancas, no Porto, mistura-se à do Brasil.

Os primeiros itens de seu acervo foram bens confiscados de conventos abandonados do norte português, que vivia uma guerra civil entre forças absolutistas e liberais, chefiadas pelo nosso dom Pedro 1º -Pedro 4º de Portugal.

Ao todo, são 93 peças do museu português "dialogando" com 14 da Pinacoteca.

DESCOBERTAS

As atrações fazem parte do festival Experimenta Portugal; promovido pelo Consulado Geral de Portugal em São Paulo, o evento tem sua terceira e mais extensa edição.

"Nós focamos na arte e na cultura porque nesta área nós temos sentido uma intimidade e cumplicidade crescentes entre São Paulo e as cidades portuguesas", diz o cônsul, Paulo Lourenço.

Junho foi escolhido para as atividades culturais por causa das celebrações do Dia de Portugal, comemorado no último dia 10 -data da morte de Luís de Camões.

"Eu estou aqui há cinco anos e sou categórico em afirmar: estamos a viver um ciclo de descoberta, ou de redescoberta, da cultura portuguesa por parte do paulistano", avalia o cônsul.

Lourenço diz que o fado já conquistou o coração dos paulistanos, e há frequentemente apresentações de cantores dedicados ao gênero na cidade. No mês passado, já na programação do festival, o fadista Camané encerrou a Virada Cultural.

BONDINHO

Para o centro de São Paulo, o evento importou um pouco da atmosfera lisboeta, com uma réplica do famoso bondinho amarelo -por lá conhecido como "eléctrico"- da capital portuguesa.

O veículo, que tem uma área exclusiva para tirar fotos e uma estátua do poeta português Fernando Pessoa, está disponível para visitação até o dia 23/6 no viaduto do Chá, no Anhangabaú.

Até o fim do mês acontece ainda uma série de palestras e encontros literários.

O humor, área de crescente destaque na cultura portuguesa, está representado nesses debates por uma dupla de colunistas da Folha.

No dia 21, o brasileiro Gregorio Duvivier e o português Ricardo Araújo Pereira, um dos mais famosos comediantes de seu país, apresentam-se na Unibes Cultural.

O produtor-executivo do Experimenta Portugal, Bruno Assami, diz que foi um desafio dar conta de tantos aspectos, mas que privilegiou uma maneira de apresentar a arte e cultura lusitanas no que ela encontra um intercâmbio com o Brasil.

"Tem tanta coisa acontecendo. Em arte, na música"¦ Na literatura, então, nem se fale. É um manancial de intercâmbio", avalia.

O celebrado Gonçalo M. Tavares, que acaba de ter seu "O Torcicologologista, Excelência" lançado pela Dublinense, participa de uma das mesas literárias, na sexta (23).

"Há um interesse maior do brasileiro pela cultura portuguesa. Antes nós considerávamos o fluxo de cultura mais tradicional. Hoje nós vemos que ele se ampliou e que há uma busca e um interesse pela cultura contemporânea", completa Assami.