Carrefour troca comando e mantém plano de IPO no Brasil

Publicado em 16/06/2017 por Valor Online

Plassat, sobre sua gestão: Os números em 2016 não são brilhantes, mas são bons" A troca no comando do Carrefour, em 18 de julho, não deverá adiar os planos da varejista francesa de lançar uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) no Brasil, disse ontem, com um não categórico, o atual presidente mundial da companhia, Georges Plassat, ao ser questionado sobre essa eventualidade pelo Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor. Plassat presidiu ontem, em Paris, sua última assembleia geral de acionistas. O evento contou com a presença de seu sucessor, Alexandre Bompard, atual CEO da Fnac Darty. Plassat, que foi longamente aplaudido pela plateia após o término da assembleia de acionistas, traçou um balanço dos cinco anos em que esteve no comando do grupo e falou sobre os desafios que deverão ser enfrentados pelo novo CEO. "O Carrefour voltou a crescer. Os números em 2016 não são brilhantes, mas são bons. O grupo pode considerar o futuro com mais confiança", disse. Como só assumirá o cargo em cerca de um mês, Bompard não fez comentários na assembleia. E preferiu não responder sobre o IPO no Brasil, ao ser questionado pelo Valor no fim da reunião. Abilio Diniz, terceiro maior acionista do Carrefour (com 7,86% do capital), presente na assembleia, também se recusou a falar sobre o IPO. Ele se limitou a dizer que "uma coisa não tem nada a ver com a outra" ao ser interrogado sobre um eventual adiamento da entrada em bolsa no Brasil em razão da troca do comando do grupo. O empresário brasileiro se mostrou confiante em relação ao novo CEO. "Espero que comece um novo período no grupo. O Bompard é jovem, realmente competente, e esperamos que ele faça uma transformação no Carrefour", disse. Abilio passou ontem a ter duas cadeiras no colegiado do grupo, após os acionistas terem aprovado a entrada da brasileira Flavia Buarque de Almeida no conselho de administração. Vice-presidente e sócia da Península, empresa de investimentos da família Diniz, Flavia foi indicada ao posto pelo empresário. Bompard, atual CEO da Fnac, assumirá comando do grupo francês em 18 de julho A chegada do novo CEO ao Carrefour coincide com um momento em que o crescimento do grupo desacelerou na França (as vendas cresceram 0,8% primeiro trimestre), e a participação de mercado sofreu recuo. Plassat alertou seu sucessor sobre a guerra de preços entre supermercadistas no país, realizada pela concorrência "selvagem" que pressiona as margens do grupo. "Será preciso continuar competitivo sem sacrificar tudo com promoções", afirmou. Outro desafio da nova gestão será compensar o atraso do grupo no comércio eletrônico, apesar das aquisições de sites como a Rue du Commerce e Greenweez. "Nós avançamos. Alguns pensam que fomos muito lentos. É possível. Mas o Carrefour é uma empresa grande que precisa de tempo para se adaptar", disse Plassat. Como CEO da Fnac, Bompard conseguiu realizar a aquisição da Darty, varejista de eletrodomésticos e eletroeletrônicos, triplicar o valor da ação do grupo e também transformar o site da rede em um dos maiores da França. O sucessor de Plassat tem ainda a tarefa, bastante aguardada pelos principais acionistas, de valorizar as ações do grupo, cotadas há um ano na faixa de ? 22 a ? 23. É uma das críticas feitas a Plassat: ao assumir o comando do Carrefour, em 2012, depois da desastrosa gestão anterior, do sueco Lars Olofsson, as ações do Carrefour chegaram a 33 euros em 2015 e não recuperaram mais esse patamar. Ontem, o executivo, que é conhecido por seu bom humor e estilo descontraído, fez um discurso em tom mais sóbrio do que o habitual. Emocionado, ressaltou que o grupo registra o quinto ano consecutivo de aumento nas vendas e que as ações implementadas durante cinco anos vão se frutificar. Plassat transformou o Carrefour, até então focado nos hipermercados, que representam a origem do grupo, em um modelo multiformato, com rápida expansão das lojas de conveniência. Ele foi elogiado no evento por sindicalistas, no momento em que a plateia pôde fazer perguntas, e também recebeu agradecimentos do conselho de administração. A assembleia de acionistas aprovou ainda o salário de ? 6,5 milhões de Plassat em 2016. Bompard ganhou quase ? 14 milhões na Fnac Darty no ano passado, sendo que ? 12 milhões se referem à remuneração variável ligada a ações da companhia. No final de seu discurso, Plassat felicitou Bompard, também aplaudido pela plateia, e disse "estar convencido de que ele fará um bom trabalho". Ao ser questionado por um acionista sobre quando o lucro líquido vai crescer, Plassat respondeu: "É preciso ver isso com o meu sucessor. Ele está aí para isso."