Crivella planeja viagens a Paris e Miami até julho

Publicado em 14/06/2017 por O Globo

Desde que assumiu a prefeitura, Crivella já fez cinco viagens internacionais - Brenno Carvalho / Agência O Globo

RIO - Em meio à polêmica sobre o corte da subvenção para os desfiles das escolas de samba, o prefeito Marcelo Crivella está na Europa, em agenda oficial. Ele embarcou segunda-feira à noite para acompanhar a Velo-City 2017, uma conferência global sobre o uso de bicicletas, cuja edição no ano que vem será no Rio. Segundo a assessoria do prefeito, Crivella quer aproveitar a viagem para fazer contatos e atrair investimentos para a cidade. A viagem custou aos cofres públicos R$ 39.295,87, entre passagens aéreas e diárias para o próprio prefeito, o secretário municipal de Conservação e Meio Ambiente, Rubens Teixeira, e o embaixador Antônio Fernando Cruz de Mello, chefe de Relações Internacionais do município. Crivella também levou um dos netos, cuja passagem foi paga pelo prefeito, segundo sua assessoria.

Rubens Teixeira foi escolhido para acompanhar Crivella porque as ciclovias voltaram recentemente para a gestão da área ambiental da prefeitura. Na reorganização administrativa que fez no início do ano, as vias para bicicletas haviam passado para a Secretaria de Transportes, o que mudou recentemente.

Essa foi a quinta viagem internacional que o prefeito fez desde que foi eleito, em outubro do ano passado. Dessas, três foram em caráter particular: Israel, Orlando e África do Sul. As outras duas foram bancadas com recursos públicos. Segundo fontes do município, é possível que Crivella viaje mais duas vezes até julho em compromissos oficiais. Na agenda em análise, estão uma reunião com prefeitos americanos, em Miami, e encontros com empresários, em Paris.

A primeira viagem oficial de Crivella foi em maio. Ele esteve em Moscou para encontrar autoridades locais e diretores de um grupo russo interessado em desenvolver uma Parceria Público-Privada (PPP) no entorno da Central do Brasil. De acordo com Crivella, as negociações devem avançar no segundo semestre. Essa primeira viagem custou cerca de R$ 40 mil, entre bilhetes aéreos, diárias e serviços de tradução. Na ocasião, Crivella devolveu R$ 5.110 dos R$ 14.139,15 da passagem, porque preferiu viajar na classe executiva.