A elite econômica será obrigada a reformar a sociedade do privilégio

Publicado em 15/12/2016 por Folha de S. Paulo Online

A elite econômica brasileira é um fenômeno. Durante séculos, ela conseguiu apropriar-se de uma parte desproporcional da riqueza produzida no país. Essa transferência de renda de baixo para cima produziu uma verdadeira casta privilegiada.

Hoje, a viabilidade desse benefício encontra-se ameaçada. Isso ocorre porque, desde o início da Nova República, esse grupo foi forçado a dividir a proteção do Estado brasileiro com um grupo social novo - o cidadão pobre ou muito pobre, que, com a democratização, passou a constituir a maioria do eleitorado. A extensão do voto aos analfabetos forçou os escalões mais altos da sociedade a conviver com a redistribuição de alguma renda para baixo.

A sociedade arcou com esse custo, aceitando aumentos sistemáticos da carga tributária. Na década de 2000, o crescimento econômico puxado pelos bons ventos do mundo permitiu à sociedade subvencionar privilégios para ricos e pobres, embora os primeiros fossem bem mais beneficiados que os segundos.

Era possível à elite gozar de uma previdência generosa, acesso ao crédito, boas universidades gratuitas, seguros de saúde capazes de debitar operações custosas no SUS e altos salários no setor público. Ela podia ter um sistema fraco de cobrança de impostos, em que a sonegação era a regra do jogo. Por seu lado, os cidadãos pobres podiam se beneficiar de aumentos reais do salário mínimo acima da produtividade, de inflação baixa e de programas de renda tipo Bolsa Família.

Para pagar essa conta, a sociedade da Nova República aceitou sacrificar o crescimento econômico. Aumentou a carga tributária ainda mais, emitiu dívida pública, elegeu políticos comprometidos com abandonar a disciplina fiscal e foi tolerante com um Estado que não investe nem deixa investir. A sociedade chegou ao ponto de aceitar inflação.

Agora, esse esquema acabou. Desta vez, o crescimento não virá sem reformas que acabem com privilégios, como revela Marcos Mendes num livro obrigatório, "Por que o Brasil cresce pouco?".

Se não é mais possível oferecer privilégios para todos, o Estado será forçado a dirimir a disputa distributiva intensa que vem por aí.

É claro que a elite terá mais capacidade que qualquer outro grupo social para preservar seus interesses. Mas sua vitória não é líquida ou certa, pois desta vez o jogo é democrático, forçando o Estado a prover assistência aos mais pobres.

Assim, elite econômica da Nova República será obrigada a cortar na própria carne. Poderá fazê-lo de maneira inteligente, com medidas capazes de atender aos pobres e, ao mesmo tempo, aumentar a produtividade. Ou poderá fazê-lo com estagnação, desigualdade e tensão social.