Indústria brasileira quer acordo bilateral com Rússia

Publicado em 19/06/2017 por Folha de S. Paulo Online

Preocupada com o comércio decrescente entre Brasil e Rússia nos últimos anos, a indústria quer aproveitar a viagem do presidente Michel Temer a Moscou nesta semana para defender o avanço de acordos bilaterais.

A ideia, segundo a CNI (Confederação Nacional da Indústria), é garantir mecanismos para evitar a bitributação e facilitar o investimento entre os dois países.

"Na CNI, temos dado prioridade aos Brics [grupo integrado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul], mas não conseguimos avançar em todos os países ao mesmo tempo", diz Diego Bonomo, gerente-executivo de comércio exterior da CNI. "Por isso, nas visitas presidenciais, temos defendido avanços bilaterais e pedimos que governo tente lançar essas negociações", afirma.

No ano passado, a Rússia foi o 20º parceiro comercial brasileiro, com participação de 1% na corrente de comércio do Brasil. Embora tenha apresentado uma leve reação em 2016, o superavit brasileiro no comércio entre os dois países, ficou em US$ 300 milhões, muito abaixo do patamar de US$ 2,2 bilhões registrado em 2010.

Segundo Bonomo, a principal demanda da indústria, que é o acordo para evitar a dupla tributação de Imposto de Renda de empresas que atuam nos dois países, já está encaminhada. Foi negociada e aguarda os trâmites para promulgação.

Exportações do Brasil para a Rússia de janeiro a maio - Em US$ bi

Principais produtos exportados pelo Brasil para a Rússia de janeiro a maio deste ano

A CNI elaborou um documento que também menciona a necessidade de acordos para evitar a contribuição das empresas internacionalizadas aos sistemas previdenciários dos dois países e permitir o compartilhamento de exames de patentes.

"Esse acordo de Previdência evita que a empresa que tem funcionários no outro país pague duas vezes a contribuição social e ele pode ter um impacto de até 60% de redução no pagamento das contribuições de Previdência", afirma Bonomo.

Já o acordo de propriedade intelectual poderia acelerar a concessão de patentes. "Se uma empresa brasileira pede uma patente no Brasil e na Rússia, o primeiro país que conceder a patente poderia dividir o exame com o outro", afirma Bonomo.

EQUIPAMENTOS MÉDICOS

A CNI também vai levar à missão uma preocupação em relação aos regulamentos técnicos que a Rússia tem exigido do setor de equipamentos médicos e odontológicos.

De acordo com a entidade, o excesso de exigências para certificações, prazos, documentações, traduções e amostras tem elevado os custos de exportação do segmento a um patamar que pode inviabilizar o acesso ao mercado russo.